domingo, junho 23, 2024
HomeSaúdeEstudos indicam que hábitos alimentares pioraram no mundo inteiro

Estudos indicam que hábitos alimentares pioraram no mundo inteiro

Uma série de estudos sobre obesidade indicaram que pessoas de alguns países mais pobres e com renda média estão apresentando dietas mais saudáveis do que dos países ricos. Os estudos ainda indicaram que os principais fabricantes de refrigerantes e salgadinhos no mundo tem mirado especial nas crianças, de uma forma que pode prejudicar gravemente a saúde delas. Os estudos foram publicados na última semana em uma revista especial, relatando o alarmante dado de que os hábitos alimentares vem registrando uma piora em todo o mundo.

A publicidade das comidas ruins tem aumentado consideravelmente ultimamente e poucos países estão tomando medidas para impedir que as crianças sejam atingidas por esses anúncios. Por outro lado, alguns países mais pobres se saíram bem no estudo que comparava o consumo de alguns alimentos saudáveis com outros que eram prejudiciais. Os países que apresentaram melhor resultado, em os mais de 185 pesquisados, foram Mali e Chade, seguidos de Laos, Mianmar e Guiana, além de Turquia e Grécia, em decorrência mediterrânea.Estudos indicam que hábitos alimentares pioraram no mundo inteiro

Já entre os países com piores dietas foram listados Argentina, Mongólia e Cazaquistão. Abaixo da média ficou os Estados Unidos, mais baixos que o Canadá ou México. O Brasil também não teve um bom desempenho, juntamente com outros países da Europa Oriental. Em países como Brasil, África do Sul, Vietnã, México, Índia e vários outros está surgindo um padrão alarmante, registrando o surgimento de crianças com altura atrofiada, algo que tem relação direta com a má nutrição, sem chegarem a obesidade.

A atrofia das crianças aumentou no Egito após 2003, com o abatimento de muitas aves como medida de contenção da gripe aviária H5N1. Por outro lado, a publicidade de salgadinhos, refrigerantes e cereais para criança só aumentou. Em países árabes, a propaganda de bebidas de cola superou US$ 40 milhões em 2006, chegando a US$ 400 milhões há três anos. No Egito, o consumo de Coca Cola por cada pessoa triplicou nas últimas décadas, assim como cresceu o número de lanchonetes de fast food. No país, um terço dos adolescentes enfrentam situação de sobrepeso.

LEIA TAMBÉM

Últimas Notícias