Publicado em: sexta-feira, 26/07/2013

Visita do Papa – Papa faz discurso contra a liberação das drogas e chama traficantes de “mercadores da morte”

Visita do PapaDurante a tarde de quarta-feira, dia 24 de julho, O papa Francisco I em visita ao hospital de São Francisco de Assis, no bairro da Tijuca, na cidade do Rio de Janeiro, frente aos funcionários, pacientes e familiares, o pontífice discursou criticando a liberação da venda e uso de drogas.

De acordo com o papa não será deixar o uso das drogas se tornar liberado, como se vem debatendo em diversas áreas da ampla América Latina, que o problema será reduzido ou haverá alguma influência a respeito da dependência química e a sua difusão ampla.

Pode ser que o papa estivesse se referindo a políticos como o ex-presidentes, Fernando Henrique Cardoso, do Brasil; Cesar Gaviria, da Colômbia, Erneso Zedillo, do México, que fizeram frente a defesa da liberalização do uso e comércio para drogas leves, por exemplo, a maconha.

Segundo argumentaram estes ex-presidentes as políticas em atitude de repressão contra o tráfico feito continente latino-americano afora e principalmente impulsionada pelos norte-americanos e que não tem funcionado há anos. De acordo com os ex-líderes a prevenção é a ênfase deste projeto.

Para o papa os traficantes são “mercadores da morte” e ele lamenta a lógica que são feitas entre o dinheiro e o poder a qualquer custo. O pontífice afirma que o tráfico faz favorecimento a violências semeando dores e mortes.

O papa quer que a sociedade como um todo tenha atos de coragem neste sentido e explica que deve-se enfrentar a causa em sua raiz, que é o combate ao uso das substancias ilícitas e forçando maior justiça, ampliando educação e valores da vida. Além de acompanhar as pessoas com dificuldades, mostrando esperança e fé no futuro.

O Papa pede para olhar com “olhos de amor de Cristo” e abraçar e ser solidário a quem precisa deste amor e afeto, estendendo a mão. Para Francisco I as pessoas que entram neste caminho caem em uma escuridão de dependência e talvez nem saibam como se levantar e não saibam que é possível sair da situação.

O papa pediu para que os fiéis olhem com confiança para frente, pois a travessia será longa e também cansativa, mas existe um futuro que é certo com perspectiva não ilusórias como a propostas pelos ídolos mundanos.

Após o determinado discurso, Francisco I fez a oração do Pai Nosso, deu benção em inauguração a placa de um centro de tratamento e terços. Aproveitou para convidar os religiosos para ir a Jornada Mundial da Juventude nesta quinta-feira. Também saudou aos jovens italianos.