Publicado em: segunda-feira, 03/06/2013

Vinhos do governo francês são leiloados

Vinhos do governo francês são leiloadosO valor das bebidas está orçado em quase R$2 milhões. Os vinhos são provenientes da adega do governo francês, que tem sede no Palácio do Eliseu. A quantidade do produto leiloado foi de 1,2 mil. Já o valor arrecadado com a iniciativa chegou a o equivalente a R$1,9 milhão. O vinho mais caro ficou em torno de nada menos que R$20,5 mil.

Quem comandou o leilão foi a casa Druot que divulgou os dados à imprensa internacional. De início, a expectativa era de um triplo a menos. Os números realmente surpreenderam a França. Alguns produtos da adega do governo do país foi vendida pela primeira vez desde quando foi criada, no ano de 1947.

Os compradores chineses foram os que mais se envolveram no leilão. Além de vinhos, ainda foram oferecidos conhaques e champanhes. Tudo foi arrematado acima do esperado. O valor acabou sendo de até quatro vezes a mais do que estava previsto no catálogo do evento.

A exemplo disso, um dos lotes em que haviam garrafas da região de Bordeaux, engarrafadas no ano de 1978, tinha valor aproximado de 700 euros. Os interessados foram tanto que o arremate aconteceu por 3,8 mil euros. O governo francês vivenciou enfim dias de sorte com toda a crise econômica que abala não só a França para toda a União Européia.

O leilão começou com a oferta de conhaque. As garrafas avaliadas em 150 euros se tornaram peças super valorizadas e chegaram a atingir preços acima de 1,8 mil euros. Uma das tantas surpresas da ocasião foi à venda do Château Petrus, vinho da safra do ano de 1990. O arremate foi feito por um francês mesmo, que agora degusta a bebida depois de ter desembolsado quase R$20,5 mil. Mas a bebida teve alta concorrência chinesa.

Interessados de diversos países deixaram a economia de lado e gastaram muito para levar para casa os vinhos da casa do governo francês. Os que mais participaram foram os amigáveis chineses, que consomem muito os vinhos da região de Bordeaux, capital do departamento de Gironda.

O leilão aconteceu com apenas 10% das bebidas totais do Palácio do Eliseu. A intenção foi modernizar a adega com vinhos modestos, até mesmo de produtores pequenos. O dinheiro arrecado também será revertido para o orçamento da nação.