Publicado em: sábado, 24/03/2012

Vendas do varejo sobem 2,6% em janeiro

De acordo com informações do IBGE, as vendas do comércio subiram 2,6% em janeiro se comparado a último mês do ano. O resultado apresentado pelo índice mostrou um dado próximo daquilo que foi estimado pelos analistas ouvidos pela AE Projeções. A alta estava sendo esperada entre 0,2% e 2,7%. Se comparados os dados com o mês de janeiro de 2011, as vendas no varejo tiveram alta de 7,3%. Nesta comparação, os analistas entrevistados esperavam aumento de 4% e 7,5%. Até janeiro a alta das vendas acumuladas nos últimos 12 meses chegou a 6,6%.

Já no chamado varejo ampliado, onde também estão incluídas as atividades de material de construção e de automóveis, as vendas tiveram alta de 1,4% em janeiro se comprado com dezembro. Esse resultado também ficou dentro das expectativas que era de 0,4% e 2,2%. Se comparado ao mesmo mês de 2010, a alta foi de 7,7%. O esperado pelos analistas era uma alta entre 5,50% a 9,70%. Até janeiro a alta acumulada era de 6,4%.

IBGE faz alteração na metodologia usada na Pesquisa Mensal de Comércio

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), responsável pela apuração da Pesquisa Mensal de Comércio (PMC), fez algumas alterações metodológicas no trabalho de coleta e análise dos dados. Isso ocorreu a partir de janeiro de 2011, sendo que as propostas do IBGE eram: uma revisão da amostra utilizada na pesquisa e a adoção da Classificação Nacional de Atividades Econômicas – CNAE 2.0. Essa última mudança trata-se da alteração nos indicadores e na utilização de outros deflatores.

Segundo o gerente da Coordenação de Serviços e Comércio do IBGE, Reinaldo Pereira, a última alteração feita pelo órgão na amostra foi em 2003. Segundo ele, há empresas que fecham e deixam de existir, enquanto outras surgem, por isso é necessário fazer essas revisões na amostra sempre que possível. Em 2003 o total de empresas incluídas na amostra era 9.878, as quais representavam 20.069. Em 2011, Em 2011, depois das mudanças, a amostra passou a ser de somente 5.710 empresas para englobar um universo de 32.938.