Publicado em: quinta-feira, 03/04/2014

Venda de smartphones cresce mais que o dobro em 2013 e Brasil entra no ranking dos maiores consumidores

Venda de smartphones cresce mais que o dobro em 2013 e Brasil entra no ranking dos maiores consumidoresEm 2013, a venda de smartphones superou a de qualquer outro aparelho celular, totalizando o recorde de 35,6 milhões de aparelhos vendidos. O crescimento na comercialização em relação a 2012 foi de 123%, alcançados com a venda de 68 smartphones a cada minuto.

O salto nas vendas deste tipo de aparelho, segundo o instituto de análises de mercado IDC Brasil, demonstra que este tipo de aparelho chegou para ficar na lista dos itens mais adquiridos pelo consumidor brasileiro.

Apenas no último trimestre do ano passado, 11,5 milhões de smartphones foram vendidos no país, contra apenas 7,1 milhões de telefones celulares normais. No ano, a venda geral de telefones celulares foi de 67,8 milhões de aparelhos, sendo convencionais ou inteligentes. Deste total, mais de 35,6 milhões eram smartphones. No ano anterior, a venda dos celulares inteligentes havia sido de 16,1 milhões.

Entre os fatores que colaboraram para este salto nas vendas estão a maior variedade de aparelhos inteligentes no mercado, a popularização dos smartphones médios, mais acessíveis, a aceitação do público e as estratégias de venda, que deram mais visibilidade aos smartphones para o público brasileiro.

Os resultados de 2013, segundo a IDB Brasil, colocaram o país no quarto lugar do ranking dos países que mais consomem smartphones ao redor do mundo. Apenas China, Estados Unidos e Índia, países com grande número de fabricantes e valores mais acessíveis, ficaram à frente do Brasil.

Venda de aparelhos piratas rende multa

Ao passo que cresce a popularidade dos smartphones no país, a venda de aparelhos piratas também avança e chama a atenção da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). Os principais celulares replicados são aparelhos top de linha como iPhones e Galaxy. Para controlar este ato ilegal, a agência reguladora já iniciou o rastreamento destes celulares, que podem interferir até mesmo na operação de aeronaves.

Os aparelhos identificados serão bloqueados, e as empresas e pessoas pegas fabricando e comercializando este tipo de aparelho podem pagar multas que variam de R$ 100 a R$ 3 milhões, dependendo da gravidade da infração, dos danos ou problemas gerados, e da situação financeira do infrator.