Publicado em: sábado, 24/01/2015

Venda de ingressos para Olimpíada está sendo investigada

O Procon no Rio de Janeiro instaurou na última sexta feira uma investigação para apurar irregularidades na venda de ingressos para a Olimpíada do próximo ano. A investigação vai averiguar suspeitas de que estariam ocorrendo práticas abusivas, além de venda casa das entradas olímpicas. Os investigadores ainda presentem esclarecer se houve algum tipo de fraude com os cartões da bandeira Visa, a grande patrocinadora dos Jogos.

A investigação teve início depois que um portal de notícias divulgou que várias entidades de defesa do consumidor, incluindo o Procon, estavam criticando o processo de venda dos ingressos para o mundial esportivo. Conforme o Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio-2016 divulgou, a venda dos bilhetes através da internet só será realizada aos usuários que efetuarem pagamento com o cartão da bandeira Visa. Essa medida contraria um decreto de lei de 1969, proíbe ações como esta.Venda de ingressos para Olimpíada está sendo investigada

Agora, o Procon deu ao Comitê 15 dias para apresentar as justificativas pela determinação. Essa prática abusiva pode acabar resultando em multa para o comitê responsável por organizar as Olimpíadas, dependendo de qual for o resultado da investigação do Procon. O comitê informou ao portal de notícias de esporte que divulgou a polêmica que está disposto a prestar todos os esclarecimentos ao Procon do Rio de Janeiro. O comitê ainda reiterou que o sistema de venda dos ingressos está sendo praticado de forma justa, transparente e acessível.

Procon investiga outras irregularidades

O comitê ainda esclareceu que os torcedores sem cartão Visa também poderão efetuar a compra dos ingressos pela internet. No site do comitê, um cartão virtual pré pago da Visa estará a disposição, podendo ser usado gratuitamente e carregado através de um boleto ou mesmo usando cartões com outras bandeiras. As vendas dos ingressos acontecem em quatro etapas. Nas primeiras três, a compra será somente pela internet, com cartão. È obrigatório por lei que seja oferecida uma alternativa que permita o pagamento em dinheiro. O Procon estadual também abriu investigação para apurar essa situação, garantindo que o decreto de lei seja cumprido e todos os tipos e clientes sejam contemplados. O comitê afirma que está seguindo todas as determinações existentes.