Publicado em: sexta-feira, 30/03/2012

Venda de couro caiu em 2,5% em 2011

Caiu a venda de couro no país, segundo informações da Pesquisa do Abate de Animais, divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta semana. De acordo com os dados houve uma queda de 2,5% na quantidade de peças vendidas em 2011 se comparado com 2010. Em 2011 foram negociados 34,1 milhões de peças. Essa queda não está concentrada em apenas um período, mas está em todos os trimestres do ano se relacionado a 2010, exceto no primeiro em que houve um aumento de 3,4% nas vendas. As aquisições aumentaram tanto para o trabalho caseiro de curtimento quanto para a prestação de serviços.

O couro adquirido pelas empresas parte de diversas fontes, mas a principal delas, principalmente em 2011, saiu dos frigoríficos. Do total, 63,7% foi adquirida nesse espaço onde são comercializados os animais. Outros 26,8% tiveram origem na prestação de serviço de curtimento a terceiros. Também vieram 6,8% de salgadores e 1,8% de matadouros municipais.

Se comparado a quantidade de couro vendido com o total de animais abatidos, há uma diferença de 18,5% a mais de couro. Do total, esse número representa 5,327 milhões de cabeças. Essa quantidade de animais foi abatida em locais não inspecionados e os couros foram vendidos para curtumes. Esse número embora pareça alto, é baixo em comparação com décadas passadas, quando a diferença era de 30%. A diminuição se deve a maior fiscalização dos curtumes e dos frigoríficos, assim como a da formalização da produção de couro no país.

Dentro todos os estados, Mato Grosso foi o que mais adquiriu couro se relacionado os percentuais de 2011 com 2010. Nesta mesma linha está Tocantins que aumentou a compra do produto. Diferentes destes estados estão São Paulo, Paraná, Bahia e Goiás. Eles apresentaram quedas significativas de couro em 2011.