Publicado em: quarta-feira, 11/12/2013

Vasco recorre ao tribunal para ganhar pontos de jogo diante do Atlético-PR e evitar queda

Vasco recorre ao tribunal para ganhar pontos de jogo diante do Atlético-PR e evitar quedaRebaixado dentro de campo para a Série B do Campeonato Brasileiro, após a goleada sofrida por 5 a 1 sobre o Atlético-PR no último domingo (9), na Arena Joinville, o Vasco da Gama ainda tenta recuperar os pontos da partida para evitar a queda. Como o jogo ficou paralisado durante 70 minutos, acima do limite permitido pelo Regulamento Geral de Competições da CBF (Confederação Brasileira de Futebol), o clube carioca vai entrar com uma ação no STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva), nesta terça-feira (10).

O presidente do Vasco, Roberto Dinamite, já assinou o recurso, que foi confirmado pelo vice-presidente de futebol do clube, Ercolino de Luca. Nesse caso, a ação deve ser feita em até 48 horas depois da partida.

De acordo com Ercolino, o árbitro do jogo entre Atlético Paranaense e Vasco, Ricardo Marques Ribeiro, teria reiniciado o confronto, pois foi pressionado pelos dirigentes do Rubro-Negro e da CBF. Segundo ele, o clube carioca fez de tudo para impedir a continuidade da partida.

Caso o Vasco consiga provar que o Atlético Paranaense tenha sido o causador da paralisação e o responsável pela segurança, o Furacão seria considerado perdedor do confronto, pelo placar de 3 a 0. Dessa forma, o Cruzmaltino chegaria aos 47 pontos, se livraria do rebaixamento e ‘empurraria’ o Criciúma para o Z-4, ao lado de Fluminense, Ponte Preta e Náutico.

No artigo 19 do Regulamento Geral de Competições da CBF, para que um jogo seja suspenso ou adiado, é necessário que haja falta de garantia e distúrbios graves na praça desportiva, ou procedimento contrário à disciplina, por parte dos torcedores ou das pessoas ligadas aos clubes.

Procurador-geral do tribunal crê em ato de desespero do Vasco da Gama

Sobre as chances de o Vasco recuperar os pontos perdidos, o procurador-geral do STJD, Paulo Schimidt, disse que parece ser uma atitude de desespero do clube, embora seja precipitado falar algo antes da análise dos documentos.