Publicado em: domingo, 23/06/2013

Valcke descarta plano B a Brasil 2014 e cobra segurança após reunião junto ao COL

Valcke descarta plano B a Brasil 2014 e cobra segurança após reunião junto ao COLO secretário-geral Jérôme Valcke da FIFA esteve reunido a membros do Comitê Organizador Local (COL) durante a sexta-feira (21), na cidade do Rio de Janeiro, e pediu por mais segurança no Brasil para que a Copa das Confederações continue e que a Copa do Mundo de 2014 ocorra. Mesmo com os incidentes dos últimos dias, garantiu que a entidade não conta com um plano B para que possa substituir o Brasil como sede no ano que vem.

Valcke falou que a Copa das Confederações está ocorrendo no País e a Copa também vai ter que ocorrer no Brasil e irão garantir que aconteça da melhor maneira que puderem e não tem um plano B.

A FIFA teve dois micro-ônibus apedrejados por manifestantes durante a noite de quinta-feira (20), no bairro de Campo Grande na cidade de Salvador. Logo em frente do Hotel da Bahia, em que há membros da entidade máxima, os veículos chegaram a ser depredados e o prédio teve a fachada danificada.

Durante a manhã de sexta-feira (21), o porta-voz Pekka Odriozola apontou que não houve seleções que chegaram a solicitar que fossem retiradas da competição, mesmo com rumores que a Itália pressionou a entidade, e que até este momento não foi discutido ou nem considerado que a Copa das Confederações ou Copa do Mundo vá ser cancelada.

Depois da entrevista de Pekka, no Estádio Maracanã, Valcke esteve reunido no hotel Copacabana Palace junto a dirigentes do COL e CBF, como o vice-presidente Marco Polo del Nero, para demandar soluções sobre segurança. Quando esteve saindo o francês lamentou que a Fifa seja um alvo dos protestos dos manifestantes e disse que a entidade máxima do futebol não tem nada a ver com isto, e sim que é um problema do Brasil e não fizeram nada para que viessem a ficar no meio disso. Ele ainda pediu para que haja segurança para que o torneio seja realizado e disse esperar que isto não dura até o ano que vem.