Publicado em: sábado, 02/06/2012

Vacinação contra gripe encerra abaixo da meta

Mesmo com a prorrogação de mais uma semana, a décima quarta campanha nacional de vacinação contra gripe não conseguiu alcançar os números estabelecidos como meta pelo Ministério da Saúde. A campanha contou até com Alexandre Padilha, o ministro da pasta, solicitando a população nos dias finais que não deixassem de ir aos postos de saúde antes do término da campanha, na tarde de ontem, sexta feira (01).

A proposta estabelecida pelo governo, através do Ministério da Saúde, era que mais de vinte e quatro milhões de pessoas fossem vacinadas no público alvo, que incluíam indígenas, trabalhadores da área da saúde, gestantes, crianças com menos de dois anos e pessoas com idade acima de 60. “Podemos discutir caso a caso, alguns Estados específicos que possam não ter atingido a meta, mas o fundamental é que as pessoas se vacinem até o dia 1º de junho porque, quando se toma a vacina, demora de dez a 15 dias para se estar totalmente protegido contra a gripe”, declarou Padilha.

Metas

No levantamento antes do término da campanha, no final de quinta feira (31), somente três estados haviam conseguido alcançar a meta estabelecida, que era de imunizar ao menos 80% de cada um dos públicos. Os estados foram Alagoas, Acre e Santa Catarina. O total não contabilizava nem setenta por cento de imunização.

O atual ministro ainda destacou que um grande avanço foi a decisão da gestão anterior de ampliar o grupo alvo da campanha, contribuindo para a redução de óbitos em 66%, além de diminuir em 44% os casos mais graves de gripo. Padilha ainda lembrou que a vacina é segura, possibilitando a proteção de quem está mais frágil, dos grupos prioritários, evitando ainda que o vírus passe para outros grupos.

A campanha começou em todo o país no dia cinco de maio. A seleção dos grupos prioritários foi recomendada pela OMS, a Organização Mundial da Saúde. A dose foi oferecida de maneira gratuita em quase trinta e cinco mil postos de saúde em todo o Brasil.