Publicado em: terça-feira, 29/11/2011

Vacarezza defende Lupi e diz que maioria “jamais pisou” na Câmara

Em defesa do ministro do Trabalho, Carlos Lupi (PDT), o líder do governo na Câmara, Cândido Vaccarezza (PT-SP), afirmou que a maioria dos deputados funcionários da Câmara “jamais pisou” na Casa, em referências às recentes acusações contra Lupi de ter sido funcionário-fantasma por seis anos consecutivos e recebendo o mais alto salário previsto. O cargo ocupado por Lupi era um CNE (Cargo de Natureza Especial), o que obriga o funcionário a estar presencialmente na Casa para exercer suas funções.

No período em que Lupi é acusado de ter sido funcionário-fantasma, o ministro estaria no Rio de Janeiro exercendo funções exclusivamente partidárias. De acordo com as regras da Casa, Lupi teria que ter trabalhado do seu gabinete na Câmara para ter o direito de receber o salário. Porém, Vacarezza declarou “por que o Lupi é fantasma? É porque existe uma campanha contra ele”. O salário pago a um CNE é o maior pago a um assessor técnico.

A informação foi divulgada pela Folha de S. Paulo, que ouviu assessores, deputados e ex-deputados. De acordo com entrevistas realizadas inclusive com partidários de Lupi, foi confirmado que o ministro não comparecia à Câmara e estava exercendo somente funções do PDT.

Vacarezza continou em defesa de LUpi ao afirmar “quem prova que Lupi nunca apareceu para trabalhar?”. O líder na Câmara destaca que muitos assessores trabalham em escritórios na base política de governos. Lupi vem recebendo acusações desde uma reportagem publicada pela revista Veja, a qual defende que o ministro teria envolvimento em esquemas de convênios com ONGs para desviar verbas.