Publicado em: terça-feira, 10/06/2014

Utilizando um exoesqueleto desenvolvido por médico brasileiro um paraplégico dará pontapé inicial na abertura da Copa do Mundo

Utilizando um exoesqueleto desenvolvido por médico brasileiro um paraplégico dará pontapé inicial na abertura da Copa do MundoA abertura da Copa do Mundo no Brasil contará com uma atração mais do que especial, já que o pontapé inicial do jogo entre Brasil e Croácia, será dado por um paraplégico que irá utilizar um exoesqueleto que teve seu desenvolvimento chefiado por um médico do Brasil, a roupa que será utilizada muito se assemelha a do super herói homem de ferro.

Fizeram parte do desenvolvimento uma equipe de 156 pesquisadores e o médico brasileiro Miguel Nicolelis foi quem chefiou a equipe para que o exoesqueleto pudesse ser desenvolvido, com o objetivo de fazer com que pessoas que possuam paralisia possam caminhar, através da utilização deste.

O exoesqueleto funciona da seguinte maneira inúmeros circuitos elétricos são instalados nos pés do traje e através destes será emitido um sinal de retorno para a pessoa que irá utilizá-lo, através de uma pele artificial que irá cobrir o braço do mesmo, este sinal de retorno irá fazer a transmissão da sensação de movimento e contato.

Miguel Nicolelis que é neurocientista da Universidade de Duke, na Carolina do Norte, declarou que esta é a primeira vez que um exoesqueleto tem seu controle baseado na atividade cerebral e fornece um retorno ao paciente, além disso Miguel ressaltou que uma demonstração em um estádio, como irá ocorrer na próxima quinta-feira, nunca foi realizada, segundo ele é algo que é fora da realidade da rotina na robótica.

Os estudos do médico brasileiro começaram a ser desenvolvidos no ano de 1984, quando Miguel escreveu sua tese de doutorado baseada em conexões dos nervos no controle dos músculos, o médico relatou que sua ideia de desenvolver a roupa aconteceu no ano de 2002, quando os demais cientistas estavam começando a exploração de exoesqueletos robóticos.

No ano de 2009 Miguel soube que o Brasil iria sediar a Copa de 2014 e ele disse que houveram pedidos de ideias que pudessem mostrar um Brasil diferente do que o restante do mundo costuma conhecer, foi nesse momento que ele teve a ideia de realizar uma demonstração científica para deixar claro que o Brasil está realizando investimentos e tem potencial humano para realizar mais coisas além do já conhecido futebol

Miguel declarou que ele e sua equipe chegaram ao Brasil em março para cuidar da finalização dos preparativos para a demonstração e desde então ele e os demais integrantes da equipe mal tem saído do laboratório, porém ele declara que todo esse esforço é compensador, já que no mês de abril ele e sua equipe puderam presenciar os primeiros passos de uma pessoa com paralisa utilizando o exoesqueleto.

O exoesqueleto é chamado de BRA-Santos Dumont, que é a junção das letras com as quais o Brasil é identificado em competições de esporte juntamente com o nome do pai da aviação brasileira, Alberto Santos Dumont.