Publicado em: quinta-feira, 29/03/2012

USP coloca coronel da PM na chefia da segurança dos campi

Uma nova superintendência irá cuidar da segurança na Cidade Universitária da USP e em outras unidades. A decisão serve para que seja dada continuidade no convênio da diretoria da universidade com a polícia cuja presença continua sendo contestada. A diretoria da universidade tomou a decisão de contratar três coronéis da PM para assumir a segurança.

Para assumir a Superintendência de Segurança recém criada, foi determinado o coronel Luiz de Castro Júnior. Outros dois coronéis que não tiveram os nomes divulgados ficarão subordinados a ele. Enquanto um ficará responsável pela segurança na capital, o outro irá assumir no interior.

O coronel Castro Júnior foi selecionado por manter um posicionamento ligado ao policiamento comunitário. Até o mês de fevereiro, ele atuava como diretor do Departamento de Polícia Comunitária e Direitos Humanos da PM paulista.
Outro fator que interferiu na escolha do coronal foi o desempenho dele na conquista do convênio entre a Polícia e a Universidade, para que o policiamento no campus seja maior. A diretoria da USP vê nesta nova estratégia uma tentativa de afinar a parceria entre a guarda da universidade com a Polícia Militar, para também evitar os casos de abordagens violentas ocorridas no começo deste ano.

Busca pela segurança

Em maio do ano passado, um aluno da USP foi assassinado na Cidade Universitária, depois de uma tentativa de assalto. Depois disso, a universidade firmou um convênio com a polícia para patrulhamento do campus.

Em seguida, estudantes que portavam maconha no campus foram presos, desencadeando diversos protestos contra a presença das forças policiais na universidade. Nesta época, a reitoria foi invadida, sendo desocupada apenas pela Tropa de Choque. Grande parte dos alunos realizou uma greve que durou até o início do ano. A Folha de S.Paulo divulgou o resultado de uma pesquisa no ano passado indicando que 58% dos alunos afirmavam apoiar o policiamento.