Publicado em: quarta-feira, 02/04/2014

Uso excessivo de smartphones pode ser prejudicial à saúde

Uso excessivo de smartphones pode ser prejudicial à saúdeOftalmologistas britânicos afirmam que o uso frequente dos smartphones pode oferecer riscos à qualidade da visão, assim como o excesso no uso de tablets, computadores e televisores de tela plana. Este alerta de problemas a longo prazo surgiu após uma pesquisa que entrevistou dois mil britânicos.

De acordo com o estudo, pessoas de até 25 anos chegam a usar as funcionalidades dos smartphones mais de 30 vezes por dia. Segundo os oftalmologistas, a luz azul violeta emitida pela tela destes dispositivos pode ser tóxica e oferecer riscos à parte traseira dos olhos em caso de longas exposições.

Testes realizados durante a pesquisa ligaram a incidência desta luminosidade a riscos de degeneração macular, que é um dos principais problemas que levam à cegueira. Além disso, testes apontaram que tal exposição ainda pode alterar drasticamente padrões de humor e sono.

Ainda não há provas concretas que a luz azul violeta realmente possa causar tantos danos, e mais testes laboratoriais serão realizados. Os oftalmologistas acreditam que os problemas são resultados de uma combinação entre tempo excessivo de exposição à luz, o baixo número de piscadas e uma distância inadequada entre o dispositivo e os olhos, que leva a forçar mais a vista.

Excessos perigosos

Segundo o estudo encomendado pelos oftalmologistas, um adulto chega a passar sete horas por dia com os olhos voltados a uma tela. Além disso, quase 50% dos entrevistados ficam ansiosos quando não está com o smartphone. Entre as pessoas com menos de 25 anos, 43% ficam irritados e ansiosos quando não têm a possibilidade de checar o celular quando querem.

Os primeiros sinais de que o uso dos dispositivos eletrônicos está ultrapassando os limites saudáveis são sensações como dores de cabeça e irritação nos olhos, frequentes em pessoas que usam demais smartphones, computadores e outros aparelhos. Oftalmologistas recomendam testes de vista regulares, além de pausas quando o uso prolongado dos dispositivos se fizer necessário.