Publicado em: quinta-feira, 12/09/2013

Universidades federais disponibilizam mais vagas para cotistas do que o previsto em lei

Universidades federais disponibilizam mais vagas para cotistas do que o previsto em leiDe acordo com um levantamento que foi realizado pelo Grupo de Estudos Multidisciplinares de Ação Afirmativa, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) as universidades federais reservaram bem mais vagas para cotistas neste ano do que o previsto pela adesão gradual a lei número 12.711. Segundo os dados, as instituições separaram mais do que o dobro das vagas que eram esperadas nessa etapa de adesão gradual para a adequação à lei criada pelo governo federal.

Vagas para cotistas garantidas por lei

O que está previsto na lei é que no primeiro ano, todas as 58 universidades federais que estão espalhadas por todo o território brasileiro deveriam reservar 12,5% das suas vagas para alunos que estudam em escolas públicas, com baixa renda e para pretos, pardos ou indígenas. No entanto, segundo o levantamento, este percentual chegou a 31,5% neste ano.

De acordo com João Feres, um dos responsáveis por este levantamento, isto aconteceu porque a maioria das instituições de ensino superior federais já tinham alguma política de cotas antes mesmo da lei federal entrar em vigor.

No ano passado, 32 universidades ofereciam mais de 30 mil vagas para cotistas por meio de programas próprios, o que equivale a 21%, taxa maior do que é exigido pela lei federal. Com 18 novas universidades reservando vagas para cotistas, a ofertas dessas vagas subiu 96% neste ano.
A lei do governo federal prevê que até 2016 metade das vagas das universidades federais sejam reservadas para alunos de escolas públicas, de baixa renda, pretos, pardos ou indígenas.

O levantamento divulgado nesta semana mostrou que 19 universidades federais já atingiram a meta que era prevista para daqui três anos.