Publicado em: terça-feira, 27/03/2012

Universidade São Marcos é descredenciada pelo Ministério da Educação

Na última segunda feira (26), a Universidade de São Marcos, instalada em São Paulo, foi descredenciada pelo Ministério da Educação (MEC). Os alunos da instituição afirmaram não ter interesse em mudar de universidade e estarem satisfeitos com os cursos que frequentam. De acordo com o governo, eles deverão ser transferidos dentro de no máximo três meses para outras instituições de ensino superior. Entretanto, os alunos continuam elogiando o corpo docente e alegando preferirem permanecer na instituição e lá mesmo concluir os cursos.

O fechamento da Universidade surpreendeu alunos e agentes universitários, já que apesar de saberem que São Marcos enfrentava problemas financeiros, incluindo o atraso nos pagamentos, ninguém ainda supunha o descredenciamento.

Um aluno que cursa o penúltimo ano do curso de Psicologia alega não ser justa a decisão do MEC, de fechar a instituição apenas por questões acadêmicas, desconsiderando a qualidade do ensino no local. Outra estudante acredita que o MEC deveria dialogar com os alunos na tomada desta decisão.

Dezenas de alunos da São Marcos estão se reunindo, na tentativa de elaborar uma estratégia que convença o MEC a rever a decisão. O grupo tem a intenção de enviar mensagens eletrônicas ao ministro da Educação, Aloizio Mercadante, além da realização de protestos contra a decisão.

Resposta da São Marcos

Armando Costa e Silva, presidente da Comissão de Coordenadores e Diretores, declarou que a diretoria da instituição está chocada com o anúncio, que foi divulgado primeiro à imprensa e a não a Universidade.

Juntamente com a reitora Maria Aurélia Varela, Costa e Silva assumiu a universidade no final do ano passado, logo depois do afastamento da família mantenedora e a indicação de um interventor judicial. A diretoria afirma que estava preparando um documento de resposta ao MEC, quando a notícia do descredenciamento saiu na imprensa.

O presidente da instituição confirmou que a universidade passar por problemas estruturais, financeiros e de documentação, mas que por serem administrativos, não interferiam na qualidade de ensino, que pode ser comprovada de maneira fácil. Ele ainda informa que a reitora está em Brasília, com a intenção de recorrer ao Conselho Nacional de Educação.

Apesar destes problemas financeiros, a mensalidade da Universidade São Marcos não é uma das mais baratas de São Paulo. O curso de psicologia, por exemplo, custa R$ 900, mas os alunos alegam que com o nível de qualidade que a São Marcos oferece, é mais barata.