Publicado em: segunda-feira, 27/02/2012

Unicamp suspende alunos após ocupação do prédio

A Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) suspendeu, pelo período de seis meses, cinco alunos da instituição que foram responsabilizados pela invasão da sede administrativa da moradia estudantil, ocorrida em janeiro do ano passado.

A decisão foi tomada pelo reitor com base no relatório de uma comissão disciplinar. A ação foi divulgada no “Diário Oficial” do Estado no último dia 2 de fevereiro. Na semana passada, a reitoria da universidade divulgou uma nota afirmando que houve depredação do patrimônio público.

A moradia estudantil fica localizada fora do campus, no bairro Barão Geraldo. Em janeiro de 2011, um grupo de estudantes invadiu o local, que oferece 900 lugares, exigindo a criação de mais vagas. Na nota divulgada, a Unicamp também afirmou que os universitário tiveram direito a “ampla defesa” e foram acompanhados por advogado no depoimento que comparecem para prestar na comissão.

Os estudantes estão questionando a decisão e afirmaram que irão recorrer. Bruna Santinho, aluno do curso de Ciências Sociais que está entre os suspensos, acredita que a medida é arbitrária, além de afirmar que não houve depredação do patrimônio.

Consequências da decisão

O Diretório Central dos Estudantes (DCE) da Unicamp repudiou a suspensão. “A medida é autoritária, até por ser publicada nas férias, quando os estudantes não se reúnem para protestar”, declarou Gabriel Chaves, integrante do diretório.

Chaves alega que a reivindicação por mais vagas no espaço de moradia é legítima. “Em 1990, quando a universidade tinha 15 mil alunos, foram prometidas 1.500 vagas e construídas 900. Até hoje o número é esse, e são 36 mil alunos”.

A Unicamp não questionou os números apresentados, mas afirmou que “nenhum aluno com renda per capita familiar igual ou inferior a 1,5 salário mínimo deixou de ser atendido” através do programa de moradia estudantil.

As unidades habitacionais ofertadas pela Unicamp comportam 900 moradores, número insuficiente para a demanda da instituição, como alegam os universitários. Em 2011, a Unicamp contava com 33 mil alunos de graduação e mais 144 de pós-graduação.