Publicado em: sábado, 03/03/2012

Um ciclista morre por semana em São Paulo

De acordo com dados levantados pela Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) em 2010, um ciclista morre por semana no trânsito da cidade de São Paulo. O caso mais recente é a morte da ciclista Juliana Ingrid Dias, 33 anos, ocorrida na Avenida Paulista durante a manhã desta sexta-feira (2). A bióloga foi atropelada por um ônibus enquanto pedalava sua bicicleta.

O CET informou que ainda não a compilação dos dados de 2011. Porém se analisarmos os índices de 2010, pode-se perceber que há uma queda no número de acidentes fatais envolvendo ciclistas. Foram 49 mortes de ciclistas em acidentes de trânsito, contra 61 mortes em 2009 houve 61 mortes. Já quatro anos antes, foram registradas 93 mortes.

“Estamos sofrendo um genocídio”, afirma Renata Falzoni, cicloativista. Ela defende que o que ocorreu com Juliana na Paulista não foi um acidente, e sim um desrespeito constante ao artigo do Código de Trânsito Brasileiro. Segundo a lei, é estabelecida uma distância mínima de 1,5 metros dos carros para as bicicletas.

Protestos pedem mais segurança aos ciclistas

Na noite desta sexta-feira (2), mais de cem pessoas participaram de um protesto na Avenida Paulista, São Paulo, contra a violência no trânsito e a imprudência de motoristas em relação aos ciclistas. O protesto foi marcado através de redes sociais e foi realizado na Praça da Bicicleta, próximo à Rua da Consolação.

Os manifestantes levavam flores e velas, além de adesivos com a inscrição “Não espere perder um amigo pra mudar sua atitude no trânsito” e flyers divulgando que “Hoje mais um ciclista morreu em SP. Motorista, respeite os ciclistas e ajude a humanizar o trânsito”.

O grupo ainda pendurou uma ghost bike, uma bicicleta pintada de branco para representar um ciclista morto.

Uma das faixas da via ficou bloqueada por manifestantes e a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) recomendou aos motoristas que evitassem a região. Pouco após o acidente, a CET já havia registrado outra manifestação no local quando algumas pessoas interditaram o sentido Consolação da Avenida Paulista durante sete minutos, deitando no chão.