Publicado em: terça-feira, 13/03/2012

Tribunal de Justiça mantém indenização de R$ 40 mil para Geisy Arruda no caso Uniban

Nesta segunda-feira (12), o Tribunal de Justiça de São Paulo decretou que irá manter a decisão de condenar a Universidade Bandeirante (Uniban) a pagar R$ 40 mil de indenização à ex-aluna da instituição, Geisy Arruda. A universidade havia recorrido para tentar cancelar a decisão, já a jovem havia recorrido porque queria aumentar o valor recebido. Os dois recursos foram negados unanimemente.

O caso começou em outubro de 2009 quando Geisy, que fazia turismo na Uniban, em São Bernardo do Campo, ABC paulista, foi hostilizada dentro do campus por colegas devido ao fato de ter ido à faculdade usando um vestido justo e curto. Para conseguir deixar o campus, ela precisou der escoltada pela Polícia Militar tamanha a agressividade dos outros estudantes. As cenas foram filmadas e disseminadas pela internet, gerando uma repercussão nacional. Geisy chegou a ser expulsa, mas a universidade acabou voltando atrás da decisão.

Já em setembro do ano seguinte, a Justiça ordenou que a Uniban a pagasse R$ 40 mil por danos morais, pois considerou que apenas a divulgação da expulsão da estudante em veículos de comunicação de grande circulação, já justificava a condenação.

Desde o início, a exigência de Geisy é uma indenização de R$ 1 milhão e a sua defesa deve recorrer da decisão de receber R$ 40 mil, valor considerado baixo. “O juiz acolheu nossos argumentos, mas o valor fixado está aquém do papel que a indenização deveria cumprir. A Uniban está sendo premiada”, afirmou o advogado de Geisy, Nehemias Domingos de Mello.

Na época da expulsão da ex-aluna, a Uniban justificou a medida alegando que ocorreu “o flagrante desrespeito aos princípios éticos, à dignidade acadêmica e à moralidade”. Contudo, após três dias, comunicou que ela poderia voltar a frequentar a universidade, mas Geisy não quis mais voltar. Depois do episódio, ela desistiu de terminar o curso e passou a estar em revistas e programas de televisão. Atualmente ela se tornou empresária e possui sua própria grife, Rosa Divino.