Publicado em: quinta-feira, 24/07/2014

Tratamento de Aids no Brasil faz com que as taxas de morte caiam mais do que a média global, diz pesquisa

Tratamento de Aids no Brasil faz com que as taxas de morte caiam mais do que a média global, diz pesquisaTratamento de Aids no Brasil faz com que as taxas de morte caiam mais do que a média global, diz pesquisa

Um estudo que foi divulgado ontem, terça-feira (22), indicou que desde que foram adotados os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, em 2000, foram reduzidas as mortes por HIV/Aids e tuberculose no Brasil, as taxas caíram maior do que a média global.

Segundo um relatório publicado na revista cientifica “The Lancet” e divulgado na Conferência Internacional sobre Aids, que acontece em Melbourne, na Austrália, as mortes que acontecem por HIV no Brasil caíram a uma taxa anual de 2,3% entre os anos de 2000 e 2013, o que é considerado um valor significativo, já que foi maior do que os 1,5% que são registrados globalmente.

Já em casos de mortes por tuberculose, a taxa anual de queda foi de 4,5% desde 2000, ficando acima da média novamente, que era de 3,7%. Para obter um melhor resultado, foram calculados os anos de vidas salvos por conta do acesso a terapia antirretroviral, programas para prevenir a transmissão do HIV de mãe para filho e a promoção do uso de camisinhas, com isso o Brasil chega a um índice de 0,37, em uma escala que vai de 0,07 para países em pior situação, até 0,49 em países com grande poder aquisitivo.

Anos de vida salvos

De acordo com um dos coautores do estudo, professor da Faculdade de Medicina da USP e diretor do Centro de Pesquisa Clínica do Hospital Universitário da USO, Paulo Lotufo, o desempenho do Brasil está mais elevado do que o registrado em outros países que desenvolvimento, se sobressaindo de 0,28 a 0,35, ressaltou em uma entrevista à BBC Brasil.

O estudo também comprova que entre 1990 e 2003, mais de 230 mil anos de vida foram salvos no país pelo acesso que as pessoas puderam ter à prevenção e tratamento. Do ano de 2004 a 2008, foram mais de 450 mil anos de vida, e de 2009 a 2013, cerca de 682 mil anos.