Publicado em: sexta-feira, 11/05/2012

Trabalho escravo em obra do Minha Casa, Minha Vida é descoberto pelo Ministério

Fiscais do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) pegaram em flagrante 90 trabalhadores que estavam em situação parecida com a de escravos, trabalhando em uma obra do Programa Minha Casa, Minha Vida, na cidade de Fernandópolis, no interior paulista. O caso aconteceu no dia 4 de maio.

A empresa Geccom, que é a responsável por administrar empreendimento, foi autuada por várias irregularidades, entre elas a jornada de trabalho até 15 horas, alojamentos em situação precária, emprego de trabalhadores que não são registrados e falta de equipamentos de segurança. Dos 90 trabalhadores, 66 não eram registrados.

Segundo o MTE, a empresa já reincidiu o contrato dos empregados, pagando as verbas de indenização e salários. Já o advogado da Geccom, Shindy Teraoka, informou que a empresa vai comprovar para o ministério que os funcionários não se encontravam em condições análogas a de escravos, além de mostrar que todos os débitos com os trabalhadores já foram acertados.

A Caixa Econômica Federal, responsável por financiar as obras do Programa Minha Casa, Minha Vida, declarou através de uma nota, que estabelece que não serão feitos empréstimos para empresas que tenham cadastro do Ministério do Trabalho com envolvimento em trabalho escravo. E garantiu também que não foi notificada pelo Ministério do Trabalho a respeito de a Construtora Geccom submeter seus empregados a condições precárias de trabalho.