Publicado em: segunda-feira, 27/02/2012

Tombini sinaliza redução da taxa de juros

Alexandre Tombini, presidente do Banco Central, disse nesse domingo (26) que há grande possibilidade de que a taxa de juros caia nos próximos meses. Tombini ressaltou que o banco deve baixar a taxa pela quinta vez consecutiva. O anúncio deverá ser feito depois da reunião marcada para daqui duas semanas. A informação foi repassada aos jornalistas na reunião de líderes do G-20, no México.

Segundo Tombini, espera-se que a taxa seja de apenas um dígito. A decisão será tomada na reunião com o Comitê de Política Monetária do Banco Central que deve se reunir no dia 7 de março. Atualmente a taxa Selic está em 10,5%. O objetivo do BC tem sido proteger a economia interna dos problemas causados pela crise européia. Desde agosto o Comitê baixou dois pontos percentuais a taxa de juros.

Tombini inicialmente recebeu críticas por ter iniciado o ciclo de flexibilização tão cedo no ano passado. No entanto, com a piora do cenário econômico global e com a diminuição da inflação, muitos analistas mudaram de ideia sobre as atitudes de Tombini. Segundo ele, uma pesquisa feita com economistas do Banco Central e publicada na última semana mostrou que a taxa de juros neutra caiu em função de uma economia mais resistente do país. Essa taxa, que é chamada de neutra pelos economistas, representa o custo do dinheiro de acordo com o equilíbrio entre crescimento econômico e aumento dos preços.

Para Tombini, essa pesquisa é importante para além dos números que ela apresenta. Ela demonstra, acima de tudo, que há uma contínua melhora nos fundamentos da economia interna. Os dados oferecidos pela pesquisa do Banco Central mostraram que os economistas veem a taxa de equilíbrio em 5,50% atualmente. No entanto, embora o cenário seja positivo, Tombini alerta para o aumento do petróleo que é a principal preocupação dos bancos centrais de todo o mundo.