Publicado em: quarta-feira, 06/06/2012

Tombini estima crescimento mais elevado para o segundo semestre

Na perspectiva Alexandre Tombini, presidente do Banco Central, o ritmo da atividade econômica no país tem tudo para ganhar mais fôlego no próximo semestre. Ele disse que essa aceleração é reflexo da demanda interna e da flexibilização financeira. Segundo ele, esse cenário é responsável por esse aumento da atividade econômica. Tombini tratou deste assunto durante sua fala na Comissão Mista de Planos, Orçamentos Públicos e Fiscalização do Congresso Nacional.

Tombini ressalta as perspectivas positivas e o cenário atual

Segundo Tombini o cenário atual Brasileiro é positivo no campo econômico em função da expansão do crédito que ocorrerá em um contexto de taxas menos elevadas de juros, queda da inadimplência e diminuição do spread bancário. Para o presidente, o país está em uma situação boa, em que possui sólidos fundamentos macroeconômicos, pois somente em maior foram US$ 372 bilhões de reservas internacionais somadas a R$ 396 bilhões em reservas bancárias. Tombini ressaltou que a inflação também está diminuindo, chegando próximo da taxa proposta pelo governo. Além disso, ele falou que está otimista quanto a redução da inadimplência, já que mês passado ela teve alta de 4,5% ante maio do ano passado. Esses dados foram apresentados pelo Serviço de Proteção ao Crédito Brasil (SPC) em parceria com a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e causou preocupação entre os economistas.

Tombini também salientou que o rendimento dos trabalhadores aumentou em 3,1% entre abril de 2011 e 2012. Neste mesmo momento a massa salarial cresceu 5%, associada à evolução das vendas no varejo que cresceram 7,5%. Além disso, esse cenário tende a ser melhor nos próximos meses com a junção das várias ações positivas, principalmente com a queda de juros.