Publicado em: quinta-feira, 22/03/2012

Thor lamenta morte de ciclista, mas insiste em sua inocência

O filho do empresário Eike Batista, Thor de Oliveira Fuhrken Batista, a 61ª DP, localizada na Baixada Fluminense, perto das 14 horas de ontem, quarta feira (21), depois de ter prestado depoimento a respeito do acidente que terminou com a morte do ajudante de caminhão Wanderson Pereira dos Santos, de 30 anos.

“Eu gostaria de fazer uma declaração à mídia sobre o ocorrido. Gostaria de dizer que lamento, lamento profundamente pela perda do Wanderson, eu respeito a dor da família, a perda de um ente querido é complicado. Mesmo convicto da minha inocência, eu confirmo aqui que vou prestar todo o auxílio que for necessário à família e no que for mais necessário”, declarou o filho de Eike, enquanto deixava a delegacia na companhia de advogados e seguranças.

Celso Vilardi é um dos advogados de Thor e declarou que o jovem estava dirigindo dentro da velocidade máxima permitida no local do acidente. “Ele prestou todos os esclarecimentos a respeito do acidente, contou detalhes do que aconteceu aquela noite”, declarou a defesa. “Existem elementos muito seguros dos autos, que mostram que esse acidente ocorreu porque Wanderson estava com a sua bicicleta no meio da pista. Já existem indícios mais do que seguros no inquérito, e, portanto, é um acidente inevitável. Nós lamentamos muito”, concluiu.

Vilardi afirmou ainda que os jovens não haviam consumido bebida alcoólica antes da ocorrência do acidente. No momento do acidente, um amigo de Thor estava junto e foi o primeiro a prestar depoimento na manhã de ontem.

O filho do empresário e seu amigo chegaram em carros separados, perto das 9 horas na sede da delegacia em Duque de Caxias. Eles estavam acompanhados de dois advogados e mais cinco seguranças.

Indiciamento

O delegado responsável pelo caso declarou que não houve indiciamento, além e revelar que outras quatro testemunhas foram ouvidas: agente do PRF e motoristas que passaram pelo veículo que Thor conduzia na noite do acidente.

Caso seja comprovado que Thor dirigia acima da velocidade permitida, o jovem pdoerá ser indiciado por homicídio culposo, quando o acusado não tem intenção de matar. A pena pode variar de dois a quatro anos de prisão.