Publicado em: sexta-feira, 24/02/2012

Testemunhas prestam depoimento sobre menina atropelada por jet ski

Novas testemunhas do caso do adolescente que atropelou e matou Grazielly Lames, de três anos, com um Jet ski, devem ser ouvidas nesta sexta-feira (24). O acidente aconteceu no sábado (18) na Praia de Guaratuba, Bertioga, no Litoral Norte de São Paulo. Um dos depoimentos mais aguardados é o de uma pessoa que afirma ter presenciado o momento em que a garota foi atropelada.

Na última quinta-feira (23), Cirleide Lames, mãe de Grazielly, contou em seu depoimento que a família do adolescente suspeito de conduzir o Jet ski ainda não havia entrado em contato com ela. “Até o momento nenhum [contato], nenhum telefonema. Isso é o que mais deixa a gente triste. Eles não prestaram nenhum tipo de socorro no momento. E isso é muito difícil”, lamenta. A mãe queixou-se também da demora no socorro da filha. “Se o socorro tivesse chegado mais rápido, eu ainda estaria com a minha filha.”

Cinco pessoas já foram ouvidas pela polícia, os pais da vítima, os tios dela e um caseiro. Havia a expectativa de que o adolescente de 13 anos, acusado do atropelamento, também fosse até a delegacia. Entretanto o advogado da família, Maurimar Bosco Chiasso, disse que, por conta do assédio da imprensa e por segurança, ele não tinha condições de depor.

O caseiro da casa onde o jet ski estava contou à polícia que foi chamado pelo adolescente para retirar o veículo da casa e que ajudou a levar o equipamento até a beira do mar. Ele relatou também que estava de costas quando ouviu gritos e pedidos de socorro. Após o acidente, o caseiro afirma ter sofrido ameaças.

José Beraldo, advogado da família de Grazielly, contou que a tese da defesa é de homicídio com dolo eventual da parte do responsável legal do adolescente e da pessoa que consentiu que ele pegasse o jet ski. Além disso, a defesa afirma que houve omissão de socorro.

O caso

Grazielly Almeida Lames , de três anos morreu após ser atropelada por um jet ski na praia de Guaratuba, em Bertioga. A menina, que ia estava no mar pela primeira vez, brincava na areia com a mãe quando foi atingida na cabeça pelo veículo em alta velocidade, dirigido por um adolescente de 13 anos. A criança chegou a ser levada foi levada para o hospital, mas não resistiu.

De acordo com a policia, o jovem abandonou o Jet Sky e fugiu com o pai. A família do acusado teria saído de helicóptero da casa em que estavam e quando a policia chegou ao local, estava vazio. De acordo com a defesa do adolescente, ele estava com um amigo quando “por curiosidade” ligou o jet ski. “Ao acionar o jet ski ele caiu e o jet ski se projetou, indo embora para praia, pegando a menininha”, afirmou o advogado.