Publicado em: quinta-feira, 20/02/2014

Tecnologia no campo

O campo com mais tecnologia O uso de aparelhos tecnológicos no campo tem sido cada vez mais frequente, com o objetivo de aperfeiçoar o setor e aumentar a produtividade, produtores rurais têm recorrido aos famosos aplicativos de celular e o resulto tem sido satisfatório.

O trabalhador rural Leandro Cesar Tezolin, foge de todos os estereótipos da vida campestre, ao invés trabalhar com uma enxada, a ferramenta mais utilizada por Leandro é um smartphone. Nele, Tezolin vê a cotação do dólar, responde aos amigos e compradores em redes sociais e ainda confere a previsão do tempo. “A minha geração é completamente diferente do meu pai, ele trabalhava o dia inteiro a sol a pino e hoje opero uma máquina com ar-condicionado e confortável”, revela.

Para o produtor rural, as condições de trabalho no campo também mudaram, há alguns anos, as pessoas tinham ma vida diferente na roça e hoje a enxada foi trocada pelo celular. Além de que o trabalho não é totalmente manual como no passado.

Hoje os maiores inimigos do campo não são as ervas daninhas, as mudanças bruscas de temperatura ou outros tipos de pragas, mas a falta de sinal de internet para quem vive na zona rural. Se usar o celular é difícil nos grandes centros urbanos, a qualidade do serviço tende a diminuir nas fazendas.

Empresas investem em aplicativos:

As empresas têm investido em aplicativos com a finalidade de auxiliar o agricultor a aprimorar as técnicas de plantio e colheita. A cooperativa paranaense Cocamar, permite que a negociação das culturas seja realizada pelos aplicativos de celular, e mais de mil produtores rurais utilizam a ferramenta como uma ferramenta de vender os produtos sem precisar sair de casa.

Além de empresas do setor privado, o Ministério da Agricultura desenvolveu um aplicativo chamado desenvolveu o Sigla (Sistema de Informações Gerenciais para Laboratórios da Área de Resíduos e Contaminantes em Alimentos), o qual que permite ao empresário do campo acompanhar e rastrear as pesquisas feitas por fiscais do governo e saber sobre as análises analisadas pelo Ministério.