Publicado em: segunda-feira, 05/08/2013

Tahiti convida Santos para amistoso

Tahiti convida Santos para amistosoA goleada de 8 a 0 sofrida pelo Santos contra o Barcelona, na última sexta-feira (2), no Camp Nou, crava um episódio triste na história do futebol brasileiro. O Santos, da era Pelé, de Robinho e Diego, de Neymar e Ganso, foi completamente apagado da memória dos torcedores, no jogo em que a equipe brasileira pretendia alcançar torcedores internacionais. Mas foi lembrado pela equipe técnica do Taiti – seleção goleada em todos os jogos da Copa das Confederações, em julho – que convidou para o time brasileiro para um amistoso.

Seria o Santos da era Taiti? Poucos esperavam que o Santos pudesse vencer, principalmente se tratando de um período de reformulações no elenco alvi-negro. Sem um técnico expressivo e jóias no ataque, esperava-se que, pelo menos, o time brasileiro desse algum trabalho. Mas foi um vexame. Se no Japão foi “uma verdadeira aula de futebol”, nas palavras do até então craque santista Neymar, agora, alguém poderia dizer que o clube brasileiro esqueceu completamente como se joga bola.

Normalmente, pelo terceiro parágrafo, começaria a descrever como os gols foram marcados. Mas, meus caros, sinto muito. Não há espaço, para descrever tantos gols. A mim, cabem apenas 300 palavras – faltariam linhas para enunciar todas as jogadas precisas do time catalão e falhas da equipe santista. Prefiro ocupar esses espaços com o sentimento verdadeiro de indignação. O Santos passou vergonha internacionalmente – a partida foi transmitida pela TV aberta. Era somente um amistoso, verdade. Mas me parece que o time brasileiro nem entrou em campo. Melhor teria sido ir ver o filme do Pelé!

Neymar tentou, mas não conseguiu marcar. Deu o passe para o quinto gol, de Fábregas, o que demonstrou espírito de coletividade – para rebater os antigos críticos, que diziam que o brasileiro era muito individualista e não daria certo no Barça.