Publicado em: quinta-feira, 29/08/2013

Supremo Tribunal Federal nega recurso de Genuíno de reduz multa de Marcos Valério

Supremo Tribunal Federal nega recurso de Genuíno de reduz multa de Marcos ValérioO Supremo Tribunal Federal aceitou em partes os impedimentos expostos em declarações que foram expostas com a finalidade de redução de multas que foram estabelecidas para o empresário Marcos Valério, essa redução deveria ocorrer de maneira mais discreta e a condenação desses pagamentos foi conseqüência da corrupção ativa e também da lavagem de dinheiro, crimes que foram cometidos por Valério.

A decisão de não alterar a pena de 93 dias de multa para cada crime que Valério cometeu foi aprovada por unanimidade, porém o empresário obteve redução nesses valores diários a serem pagos até que se totalizem os 186 dias de multa, e então ao invés de pagar 15 salários mínimos de multa por esses dias, a multa teve redução para 10 salários diários, porém em relação à revisão do tempo de pena a ser cumprida, nenhuma alteração foi realizada, portanto Valério continua condenado a cumprimento da pena de 40 anos e dez dias de reclusão.

O recurso de Marcos Valério começou a ser analisado na semana passada e na sessão desta quarta-feira ainda foi o centro das discussões durante quase metade da sessão, este é o quinto dia em que se analisam recursos dos condenados por participação no escândalo do Mensalão.

Outro recurso que foi analisado na sessão de ontem, no tempo restante, foi o de José Genoíno, este também foi rejeitado pelos ministros de maneira unânime, também foi negado o recurso apresentado pelo deputado do PP, Pedro Henry, o ministro Roberto Barroso fez um adendo na sua leitura de sua justificativa para vetar o recurso de Genoíno, ele disse que sentia muito por ter de negar recurso a alguém que participou ativamente da reformulação democrática do país, e ressaltou que Genoíno tem uma vida modesta e nada lucrou com a política no aspecto financeiro.

Segundo Roberto, mudanças devem ser realizadas no sistema político do Brasil, já que o modelo que existe atualmente é ruim e passível a irregularidades, segundo a opinião dele essas deficiências fazem com que a ação de fazer o bem seja reprimida, já a prática de ações consideradas irregulares são potencializadas.

Assim como Barroso outros ministros ao relatarem seus vetos, falaram sobre Genoíno, porém Carmen Lúcia que já havia dito no momento do julgamento que naquele momento o que estava para ser julgado são as ações cometidas por José Genoíno e não sua história de vida, essa declaração se estendeu aos demais réus do processo que julgava o mensalão.

O julgamento dos recursos dos condenados por participação no mensalão prossegue nesta quinta-feira com expectativa de que seja julgado amanhã o recurso do ex-ministro da Casa Civil e também ex-presidente do partido dos trabalhadores, José Dirceu.