Publicado em: quarta-feira, 19/11/2014

Superior Tribunal de Justiça nega pedido de concessão de liberdade para pai de menino Bernardo

Superior Tribunal de Justiça nega pedido de concessão de liberdade para pai de menino BernardoO Superior Tribunal de Justiça negou mais uma vez o pedido, realizado pelos advogados do pai do menino Bernardo, para que Leandro Boldrini pudesse responder ao processo em liberdade, Leandro Boldrini é réu no processo pelo assassinato do menino Bernardo que perdeu a vida aos 11 anos de idade em abril deste ano.

A defesa do pai do menino assassinato também solicitava para que fosse realizado o reconhecimento de incompetência do Juízo de Três Passos, para o julgamento deste processo e pedia também para que o caso fosse transferido para Frederico Westphalen.

O pedido dos advogados de defesa de Leandro Boldrini foi negado pelo desembargador Newton Trisotto e justificou sua decisão dizendo que a morte de Bernardo foi de maneira violenta e que já houveram testemunhas que prestaram depoimento e disseram temer ações futuras por conta da posição social e também da profissão de Leandro Boldrini, além disso a transferência do caso também não foi procedida já que há o entendimento que o crime ocorreu na cidade de Três Passos e também pelo fato de os réus, assim como a vítima residirem na cidade.

Esta foi a terceira vez em que os pedidos, solicitados pela defesa de Leandro Boldrini, não são aceitos, antes desta última solicitação um Juiz de primeiro grau e também o Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul já haviam demonstrado posição contrária aos pedidos efetuados pelos advogados de Leandro.

O processo segue na cidade de Três Passos, de onde Bernardo foi retirado de casa, segundo as informações que constam nos autos da investigação, ainda com vida por sua madrasta Graciele Ugulini para posteriormente ser assassinado, por ela juntamente com sua amiga e cumplice Edelvânia Wirganovics, em Frederico Westphalen.

Além de Leandro, Graciele e Edelvânia, encontra-se preso também Evandro Wirganovics, que é irmão de Edelvânia, e que segundo as investigações também participou do assassinato de Bernardo, os quatro estão detidos sob acusação de homicídio qualificado e também ocultação de cadáver.