Publicado em: segunda-feira, 19/05/2014

Suíços não querem salário mínimo de R$ 10 mil

Suíços não querem salário mínimo de R$ 10 milNo último domingo, dia 18 de maio, aconteceu um referendo na Suíça para saber se a população está de acordo com o novo valor do salário mínimo. Longe do que os brasileiros possam imaginar receber um dia, os suíços podem ganhar nada menos do que o equivalente a R$10 mil por mês. Parece incrível, mas eles recusaram a quantia.

Caso tivesse aprovação da maioria da população, o salário mínimo dos suíços estaria no topo e seria o maior do mundo. O plebiscito previa um salário mínimo de 3.000 euros. Para se ter uma ideia do quanto isso significa, a França que é um país rico paga em torno de 1200 euros de salário mínimo.

A minoria suíça, somente 23%, concordou com a proposta do salário mínimo de 22 francos suíços por hora, cerda de 18 euros ou ainda 25 dólares. Por mês, com 42 horas de trabalho a cada semana, os suíços receberiam 3.300 euros.

Para que uma iniciativa seja implantada, é preciso a maioria do voto popular e também dos cantões. Genebra conseguiu 66,2% dos votos contrários à proposta, enquanto que a cidade de Basileia teve 62,8%. Já o cantão de Vaud rejeitou o plebiscito com 74% dos votos.

O governo, o Parlamento e também o setor agrícola são contrários à iniciativa. O motivo seria uma ameaça ao emprego. Além disso, já existe salário mínimo diferenciados em alguns setores. Na França, o valor pago por hora é de 9,43. Na Suíça seria praticamente o dobro, 18 euros. Por isso, seria o valor mais alto de todas as potências mundiais.

O maior temor da população era de que a alteração no salário mínimo provocasse maior desemprego. Já que a Suíça não é um dos países que passam por crises econômicas como os vizinhos europeus. A taxa de desempregados no país não passa dos 3,2%. Os dados são do mês de abril de 2014.