Publicado em: sexta-feira, 30/03/2012

STF vai investigar Demóstenes por participação em esquema de caça-níqueis

O STF (Supremo Tribunal Federal) vai investigar a relação do senador Demóstenes Torres (DEM-GO) com Carlinhos Cachoeira, conhecido por manter uma rede de jogo do bicho. O processo de investigação foi mandado para o STF esta semana pela Procuradoria-Geral da República. Nestas condições o parlamentar é considerado como suspeito de participar da quadrilha no estado de Goiás. No começo da semana o parlamentar entregou a liderança do partido na Câmara para poder responder às investigações, no entanto a sua expulsão do partido poderá ocorrer caso as denúncias sejam comprovadas. O pedido de investigação foi feito pelo ministro Ricardo Lewandowski.

A acusação contra o parlamentar diz respeito aos presentes (em dinheiro, na maioria das vezes) que recebia em troca informações para a quadrilha. O acusado nega a participação nos crimes e diz que se afastou do partido para não prejudicar a sua imagem. E não é só o parlamentar que pode estar envolvido com a quadrilha. No esquema também podem aparecer os nomes dos deputados Carlos Alberto Leréia (PSDB), Rubens Otoni (PT) e Sandes Júnior (PP). Os parlamentares da Frente Mista de Combate se encontraram com Roberto Gurgel na última terça-feira e pediram ao procurador-geral da República que investigasse a participação de Torres na quadrilha.

Está prevista para acontecer na próxima terça-feira uma reunião em que será decidida a expulsão de Torres do partido. A situação do parlamentar ficou pior depois que o Jornal Nacional divulgou gravações que citam o nome dele relacionando com dinheiro resultante do jogo do bicho. As gravações fazem parte das investigações feitas pela Polícia Federal. Nelas Cachoeira fala com seu sócio e cita pelo menos seis vezes o nome do senador. As conversas são de um ano atrás e duram cerca de cinco minutos. O motivo da conversa é a contabilidade do esquema.