Publicado em: segunda-feira, 10/03/2014

SP: PCC planejou resgate cinematográfico para Marcola e outros líderes, segundo documento vazado

SP: PCC planejou resgate cinematográfico para Marcola e outros líderes, segundo documento vazadoO relatório de uma investigação conjunta da inteligência das Polícias Civil e Militar de São Paulo, com colaboração do Ministério Público Estadual (MPE) demonstra que o Primeiro Comando da Capital (PCC), de fato, funciona com alto giro interno de dinheiro. Acredita-se que a organização criminosa tenha gasto aproximadamente R$ 500 mil para alugar dois helicópteros e capacitar pilotos para tentar o resgate de Marco Willians Herbas Camacho, o Marcola, além de outros três líderes da facção.

Estes outros três bandidos seriam Cláudio Barbará da Silva, Célio Marcelo da Silva, o Bin Laden, e Luiz Eduardo Marcondes Machado, o Du Bela Vista. Somente em cursos de pilotagem teriam sido investidos R$ 300 mil, voltados para três integrantes do grupo, que posteriormente poderiam ser aproveitados para o transporte de armas, drogas e de dinheiro. Segundo a investigação, os bandidos chegaram a realizar quatro voos em São Paulo e no Paraná com helicópteros, além de um avião Cessna 510, saído do Paraguai, que aterrissou em Loanda, no Paraná.

Seria para lá que os presos resgatados seriam levados após a fuga, partindo posteriormente para o Paraguai. No país vizinho, o bandido Gilberto dos Santos, conhecido como Fuminho, estaria esperando a chegada dos comparsas. O planejamento do resgate cinematográfico seria realizado na cidade de Porto Rico (PR), em uma casa alugada que serviria como um “quartel-general” do bando.

Agentes penitenciários de SP em greve

Para agravar ainda mais a situação, Sindicato dos Agentes Penitenciários do Estado de São Paulo (Sindasp) anunciou que a categoria entra em greve por tempo indeterminado a partir desta segunda-feira (10) em todas as penitenciárias do Estado. Com isso, a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo aumenta o estado de alerta, para encontrar formas de reduzir a vulnerabilidade das instituições em caso de uma iniciativa do PCC.

Na penitenciária 2 de Presidente Venceslau, a 611 km de São Paulo, onde estão os presos que foram citados no plano de resgate, a segurança foi reforçada com atiradores de elite, além de equipes da Polícia Militar e do Grupo de Operações Especiais (GOE), da Polícia Civil.