Publicado em: sexta-feira, 11/11/2011

Soldado norte-americano é condenado à prisão perpétua por crimes na Guerra do Afeganistão

O soldado norte-americano Calvin Gibbs, de 26 anos, foi condenado à prisão perpétua pela morte de três civis enquanto estava na Guerra do Afeganistão, que durou uma década. Gibbs foi acusado de ter liderado uma equipe que funcionava como uma espécie de grupo de extermínio. O soldado confessou ter cortado e guardado os dedos dos homens que assassinou como troféu de guerra. Porém, Gibbs afirmou que as mortes não foram premeditadas.

Durante seu depoimento, Gibbs explicou que os seus ataques foram em retribuição a outros feitos pelos inimigos. Outros 11 soldados norte-americanos teriam integrado o grupo liderado por Gibbs. Do total de 12 oficiais que integravam o grupo, dez já foram condenados, mas nem todos receberam a mesma pena de Gibbs. Três destes se declararam culpados em troca de pena reduzida enquanto dois testemunharam contra o soldado condenado à prisão perpétua. O procedimento seria o de cortar os dedos depois que os homens já estivessem mortos.

Esse caso faz parte da investigação que já dura um ano e meio para identificar as atrocidades cometidas durante a Guerra do Afeganistão. O resultado da condenação de Gibbs foi anunciado na noite de quinta-feira (10). Foram necessárias quatro horas para que o júri decidisse o veredito, sendo que o considerou culpado por 15 acusações.

O advogado de Gibbs argumentou que os outros soldados conspiraram para fazer com que o caso parecesse ser culpa do acusado. As testemunhas também informaram que armas eram deixadas ao lado dos corpos para dar a impressão que havia acontecido um combate.