Publicado em: sábado, 17/12/2011

Soldado acusado de ser fonte do WikiLeaks vai à primeira sessão nos Estados Unidos

O soldado americano acusado de ter sido o informante do maior vazamento de arquivos sigilosos do governo dos Estados Unidos ao site WikiLeaks, criado por Julian Assange, compareceu à primeira audiência do seu tribunal na sexta-feira (16). Caso seja considerado culpado, o suposto informante pode ser condenado à prisão perpétua. Bradley Manning, prestes a completar 24 anos, ocupava um cargo de analista de inteligência do Exército, e é suspeito de ter fornecido documentos para serem divulgados no WikiLeaks.

O WikiLeaks se tornou conhecido por divulgar uma série de dados confidenciais de diversas entidades e governos, mas principalmente, do governo dos Estados Unidos. A organização nunca confirmou ter recebido os documentos de Manning, mas lançou uma nota em defesa de quem quer que tenha sido o responsável pelo vazamento. “Se Bradley Manning for, de fato, a fonte desses e de outros materiais do WikiLeaks, Manning teria mudado sozinho a vida de milhares de pessoas para melhor. Esse material contribuiu para acabar com ditaduras no Oriente Médio, expôs a tortura e transgressões em todos os cantos do mundo e responsabilizou corpos diplomáticos e políticos por palavras, acordos e pactos feitos a portas fechadas,” argumentou o WikiLeaks.

No total, foram vazados 720.000 documentos, sendo que o soldado vai responder por 22 acusações.

O problema não está somente no repasse das informações, mas também na maneira como elas teria sido obtidas, pois também seria ilegal. O processo deve durar cinco dias e, na primeira sessão, Manning compareceu usando seu uniforme militar e óculos escuros.