Publicado em: sábado, 12/05/2012

Situação de Carlinhos Cachoeira se complica

Com o depoimento de Matheus Mela Rodrigues, delegado federal, a situação do governador goiano Marconi Perillo (PSDB) ficou ainda pior. O depoimento também complica as posições de outras pessoas que integram a cúpula da administração estadual.

O depoimento do delegado confirmou os encontros e ligações por telefone realizadas entre o governador e Carlinhos Cachoeira. Além disso, Rodrigues, que também é o responsável pelo inquérito da Operação Monte Carlo, afirmou que o bicheiro participou diretamente da compra de uma casa do governador goiano. Perillo declarou apenas que caso seja convocado, irá comparecer a comissão.

Os parlamentares que estiveram presentes durante as quase nove horas de sessão, informaram que, de acordo com Rodrigues, três cheques foram usados de Leonardo Almeida Ramos, sobrinho do bicheiro, para aquisição do imóvel em Alphaville que pertencia a Perillo. Foi nesta casa que Cachoeira foi preso no dia 29 de fevereiro, quando a operação da Polícia Federal iniciou.

Os três cheques somavam o valor total de R$ 1,4 milhão, de acordo com as informações do delegado federal. Eram dois de R$ 400 mil e outra de R$ 600 mil.

Ações da CPI

Com as revelações, a CPI deve votar ainda na próxima quinta feira uma revisão para o cronograma de trabalha da comissão, o que permitira que Perillo fosse convocado. No dia 17, pode também ser submetido em votação, as convocações dos governadores do Rio de Janeiro e do Distrito Federal, Sérgio Cabral Filho e Agnelo Queiroz, respectivamente.

O senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP), avalia que as informações de Mela Rodrigues confirmam o principal: que a casa foi vendida de Perillo para Cachoeira, já que pertencia anteriormente a Perillo, significando que foi uma venda do governador.

Já para o senador tucano Cássio Cunha Lima, quando foi confirmado que a casa foi paga com cheques do sobrinho de Cachoeira, a afirmação apontaria que o negócio aconteceu de forma lícita. Ele acredita que o uso dos cheques para a transação confere legitimidade a negociação.