Publicado em: sábado, 16/07/2011

Síria: soldados do governo matam 14 em manifestação contra o presidente Assad

Durante a maior manifestação que já aconteceu na Síria, tendo levantado milhares de pessoas de várias cidades do país, o governo disparou contra os ativistas para dispersar o agrupamento. De acordo com manifestantes que estavam no local, os soldados sírios teriam matado ao menos 14 pessoas. A manifestação, que aconteceu nessa sexta-feira (15) foi mais uma iniciativa contra o governo ditatorial do presidente Bushar al Assad, sendo que as medidas contrárias ao estado vigente começaram no mês de março.

Em um relatório publicado por Abdel Karim Rihaoui, da Liga Síria dos Direitos Humanos, o militante informa que “nove pessoas foram mortas em Damasco: seis em Qaboune e três em Roukn Eddine. Outras três pessoas morreram em Idleb (noroeste) e duas, em Deraa.” A última cidade é o berço das revoluções contra Assad e fica localizada ao Sul do país. O governo sírio teria tentado negociar antes da manifestação de hoje, mas os rebeldes ainda reivindicam a renúncia do presidente.

Desde o início dos movimentos contrários ao partido que está no poder, o Partido Baath, cerca de 1.400 pessoas já morreram durante os protestos. Ao mesmo tempo, o número crescente não assusta os ativistas e cada vez mais pessoas tem aderido aos protestos. O Baath está no poder há 40 anos e nunca passaram por um período de tanta contestação durante toda a sua gestão.

De acordo com Rami Abdelrahman, diretor do Observatório Sírio de Direitos Humanos, “essas são as maiores manifestações até agora. É um claro desafio às autoridades, especialmente quando vemos todos esses números em Damasco pela primeira vez.”