Publicado em: segunda-feira, 28/05/2012

Síria é condenada pela ONU por conta de massacre

No domingo (27), foi o governo sírio foi condenado por unanimidade pelo Conselho de Segurança da ONU devido os ataques com armamentos pesados. O ataque aconteceu contra a cidade de Houla, e a condenação veio logo após uma reunião em caráter de emergência em Nova York.

O que ativistas e as Nações Unidas apontam é que os ataques foram realizados pelas forças do presidente Bashar al-Assad, resultando na morte de ao menos 108 pessoas, incluindo inúmeras crianças.

De acordo com agências internacionais, o Conselho da ONU teria condenado a matança, solicitando ainda a Ban Ki-moon, o secretário geral da ONU, que seja realizada uma investigação dos ataques quanto ao quesito violação às leis internacionais.

O órgão liberou à imprensa um comunicado, onde os quinze membros, juntamente com a Rússia, apontaram que os ataques usaram de disparos de artilharia e tanques do governo em um local identificado como bairro residencial. A solicitação é que o presidente retire o armamento pesado das cidades.

Apontamentos

Mark Lyall-Grant, embaixador britânico da ONU, avaliou como insuficiente o comunicado do Conselho, apesar de destacar sua importância. “O Conselho se reunirá nos próximos dias para analisar com mais detalhes as próximas etapas, declarou ele à imprensa, com relação a crise síria. Jihad Makdissi, o porta-voz do ministério sírio das relações exteriores, declarou que o governo nega toda e qualquer responsabilidade quanto a este massacre terrorista.

O emissário internacional Kofi Annan chega hoje, segunda feira (28), à Síria. A tentativa é pela busca de salvar o plano de paz, que indicava uma trégua. A pausa na guerra iniciou no dia 12 de abril, mas deixou de ser respeitada.

Igor Pankin, o vice-embaixador da Rússia nas Nações Unidas, antes de o grupo chegar a um consenso, questionou a parcela de culpa do governo sírio no massacre.