Publicado em: quarta-feira, 04/07/2012

Shopping Higienópolis terá licença cassada e poderá ser fechado

A prefeitura de São Paulo resolveu na última terça-feira, 3 de julho, que irá caçar o alvará que permite o funcionamento do Shopping Pátio Higienópolis. A administração do shopping não provou que tem o número de vagas de estacionamento que é exigido pela prefeitura para poder funcionar.

Assim, o shopping será notificado nos próximos dias e depois disso terá cinco dias para recorrer da decisão. Se o shopping não conseguir uma decisão a seu favor, o local deverá ser lacrado até o final do mês de julho, levando em consideração os prazos legais exigidos nesses casos.

Se chegar a ser fechado, o shopping terá que começar um novo processo de licenciamento para poder ser reaberto. No entanto, esse processo pode levar meses para ser concluído.

A decisão de cancelar o alvará de funcionamento do shopping teria partido de pessoas próximas ao prefeito Gilberto Kassab, do PSD, e do secretário das subprefeituras, Ronaldo Camargo.

O despacho da cassação do auto de licença de funcionamento do shopping foi publicado no “Diário Oficial” de São Paulo nesta quarta-feira, 4 de julho. As irregularidades do shopping, que estaria funcionando com a garagem principal sem licença, só foram descobertas depois que o jornal Folha de São Paulo veiculou uma entrevista na qual a ex-diretora financeira da BGE, empresa que faz parte do grupo que é sócio do empreendimento, disse ter pago propinas para conseguir seus alvarás de funcionamento.

Para poder funcionar, o shopping teria que possuir 1.994 vagas de garagem destinadas aos seus clientes. Dessas, 1.524 estariam distribuídas nos quatro andares do estacionamento do prédio principal. As demais vagas estariam em dois estacionamento privados próximos ao shopping que deveria ser utilizadas pelos clientes do empreendimento. No entanto, nenhum desses locais apontados no contrato teriam convênio com o shopping Higienópolis.