Publicado em: quinta-feira, 01/03/2012

Serra promete cumprir quatro anos de mandato caso seja eleito na prefeitura de SP

Ontem (29) o pré-candidato José Serra disse, durante uma coletiva à imprensa que, se eleito prefeito de São Paulo, vai cumprir o mandato até 2016. Segundo ele, não abandonará a prefeitura para concorrer à presidência da república. Esse é um pedido dos militantes e, também, do governador Geraldo Alckmin e do prefeito Gilberto Kassab. Ao ser questionado sobre 2018, Serra respondeu que é uma data muito distante e não pode fazer projeções.

Ao ser questionado sobre possíveis nomes para concorrer em 2014, Serra disse que o partido possui bons candidatos e citou Aécio Neves, Marconi Perilo, Aloysio Nunes e Geraldo Alckmin. Serra disse que a sua presença durante os quatro anos na prefeitura é uma promessa aos seus eleitores. O ex-governador negou que o partido esteja desunido e afirmou que aceitou a candidatura por necessidade política, com o objetivo de impedir a aproximação dos tucanos com o PT e também por gostar de administrar e de fazer o bem público.

Ontem o pré-candidato já iniciou as articulações internas com os membros do partido. À noite, teve um encontro com o grupo de apoio do secretário do Meio Ambiente, Bruno Covas, que deve apoiar o candidato e hoje, durante a tarde, se reunirá com a bancada paulista da Assembleia Legislativa.

Kassab indica possível vice de Serra

O prefeito Gilberto Kassab (PSD) anunciou uma possível indicação para vice de José Serra (PSDB). O nome citado pelo prefeito é Ricardo Patah. Patah está no PSD desde setembro e é presidente da União Geral dos Trabalhadores (UGT). Este é um novo nome, pois Kassab já havia falado também em outras pessoas como no secretário municipal de Educação, Alexandre Schneider; no titular da pasta de Meio Ambiente, Eduardo Jorge; e também na vice-prefeita, Alda Marco Antonio.

Adiamento das prévias causa problemas com os demais candidatos

José Aníbal e Ricardo Trípoli, que também concorrem nas prévias do PSDB com Serra, divulgaram ontem uma carta dirigida à direção executiva do PSDB na capital. Na carta os dois pré-candidatos criticam a decisão do partido de adiar para 25 de março as prévias que estavam agendadas para o dia 4. Além disso, pedem a realização dois debates até o final do mês. A carta mostra as reivindicações do grupo derrotado na reunião que definiu a nova data.