Publicado em: quarta-feira, 30/05/2012

Sequência de terremotos resulta na morte de 16 italianos

Um número mínimo de 16 pessoas terminaram mortas e outras 200 ficaram feridas devido a uma série de terremotos que sacudiu a tarde de ontem a região nordeste do país, Emilia Romanha. Além disso, ao menos sete pessoas estão desaparecidas, enquanto outras oito mil precisaram ser evacuadas por questões de segurança.

Os números são de um dos últimos balanços publicados pela Defesa Civil da Itália, através de seu chefe Franco Grabrielli. Os abalos atingiram a província de Modena, na mesma localidade em que o primeiro terremoto atingiu no dia 20 deste mês, causando a morte de sete pessoas e resultando no desabrigamento de outras seis mil. Depois de um primeiro abalo na parte da manhã, a terra permaneceu tremendo na região norte italiano, seguindo ainda com diversas repetições. A população precisou permanecer em vigília enquanto equipes de resgate procuravam nos escombros por desaparecidos.

Alojamento

As autoridades precisaram disponibilizar novos espaços para que os aproximadamente 14 mil desabrigados pudessem ser alojados. O alto número de pessoas nessas condições se deve aos tremores mais recentes somados do último dia 20. As autoridades precisaram até habilitar estruturas hoteleiras e acampamento para abrigar esses cidadãos.

Uma das situações trágicas ocorreu no desabamento de uma empresa de construção civil, em San Felice sul Panaro. No local estavam dois trabalhadores, um indiano e outro marroquino, além de um técnico italiano que permanecia no local para avaliar sua estabilidade.

Em uma fábrica que retomou as atividades ao ser declarada segura depois do primeiro abalo duas pessoas morreram depois de seu desmoronamento, na região de Mirandola. Além disso, o desabamento de outras fábricas e casas causaram inúmeros feridos na região italiana.

Outra perda lamentável foi a do pároco de Rovereto di Novi, que tentava salvar uma estátua pequeno no interior do templo, quando foi atingida por uma viga que se desprendeu, isso enquanto uma das réplicas dos abalos acontecia durante o dia. Prédios próximos aos pontos de epicentros dos abalos, como colégios e repartições públicas, foram evacuados.