Publicado em: terça-feira, 06/03/2012

Segurança que matou cliente em loja é condenado em São Paulo

Genilson Silva Souza, de 29 anos, foi condenado a 18 anos de prisão, por matar, em 2008, o motoboy Alberto Milfont Júnior, de 23 anos. O crime aconteceu dentro de uma unidade das Casas Bahia no Campo Limpo, zona Sul da cidade de São Paulo. Na ocasião, o segurança, que trabalhava no local contratado por uma empresa terceirizada, teve uma discussão com a vítima e a matou com um tiro na cabeça. Genilson foi condenado por homicídio doloso qualificado por motivo fútil e irá recorrer da condenação em liberdade.

No dia 10 de novembro de 2008, Alberto foi com a namorada, a esteticista Darilene Pereira Ribeiro, de 22 anos, e um amigo, de 17 anos até a Casas Bahia para comprar um colchão. O segurança desconfiou do trio e sacou um revólver, baleando o motoboy, que durante a discussão que tiveram, chegou a apresentar a nota fiscal da compra que havia realizado.

Mesmo depois de Alberto ter provado que não havia roubado o colchão, Darilene conta que o segurança fez provocações e ameaças de que iria atirar. Segundo a namorada de Alberto, o rapaz foi abordado enquanto ela estava no caixa. “Quando eu cheguei perto, eu vi que ele estava mostrando a nota e dizendo: ‘olha aqui, eu comprei e paguei. Por que você está me olhando assim? Por que você está me tratando diferente? Eu sou cliente, quero falar com o gerente’”, contou. O segurança insistiu na discussão. “Ele [Alberto] olhou para o segurança e falou: ‘não, você vai atirar em mim?’. O segurança, falou: ‘fala duvido’. Ele falou: ‘duvido’, e o segurança atirou”, afirmou Darilene.

O casal tinha um filho de cinco anos, na época, e havia ido até a loja comprar o colchão, pois tinham planos de se casar em breve.