Publicado em: quarta-feira, 30/07/2014

Secretário de recursos Hídricos de São Paulo rejeita sugestão de Ministério Público Federal e nega rodízio de água na cidade

Secretário de recursos Hídricos de São Paulo rejeita sugestão de Ministério Público Federal e nega rodízio de água na cidadeMesmo após o Ministério Público Federal ter sugerido que o Governador Geraldo Alckmin juntamente com a Sabesp façam a apresentação de projetos para que seja implantado um racionamento de água em são Paulo, o secretário de recursos híbridos, Mauro Arce discorda dessa medida, segundo o secretário, um racionamento acarretaria em transtornos para a população consumidora.

Segundo Mauro para que um racionamento de água tivesse eficácia nesse momento teria de ser feito o abastecimento de água nas casas por 36 horas e estes permaneceriam com a suspensão do recurso por 72 horas, de acordo com o secretário essa medida traria complicações à vida cotidiana da população.

Desde quando se instaurou a crise no sistema Cantareira, o Governo do Estado de São Paulo, descarta a possibilidade de instaurar um rodízio no abastecimento de água, nesta segunda-feira a Sabesp informou por meio de nota que a medida de um rodízio é muito drástica e que traria transtornos a grande parte da população em geral, sobretudo à parcela mais carente, por esses motivos um racionamento não se faz necessário, já que a companhia informou que através das medidas que foram tomadas, o abastecimento de água está garantido até o ano de 2015.

A sugestão dada pelo Ministério Público ao Governo de Sã Paulo faz parte de um inquérito civil público que foi instaurado para averiguar a crise hídrica que acometeu o sistema Cantareira e está sob a responsabilidade dos procuradores da República, Priscila Costa Schreiner, Suzana Fairbanks Oliveira Schnitzlein e também de Adilson Paulo Prudente do Amaral Filho.

O prazo para que o Governo do estado de São Paulo e a Sabesp informem as medidas que serão tomadas em relação à sugestão feita pelo Ministério Público Federal, é de 10 dias, segundo Mauro Arce, um conjunto de argumentos técnicos será apresentado ao Ministério Público Federal com a finalidade de assegurar que o rodízio de água na atual situação não uma solução benéfica, caso o Governo do Estado não atenda à medida, a Procuradoria não excluí a tomada de medidas judiciais.