Publicado em: quarta-feira, 15/02/2012

‘Saúde não tem preço’ completa um ano com três vezes mais beneficiados

Com apenas um ano, o programa já atendeu mais de 7,8 milhões de pacientes que tiveram acesso a medicamentos gratuitos. A iniciativa foi lançada em fevereiro de 2011 pelo governo federal e triplicou o número de brasileiros beneficiados com remédios gratuitos para o tratamento de duas doenças muito comuns entre os brasileiros: diabetes e hipertensão.

Até janeiro de 2012 foram cadastrados 3,2 milhões de pacientes nas farmácias credenciadas, sendo que no mesmo mês de 2011 esse número não passava de 853 mil. E se considerarmos os atendidos também nas unidades do governo, são mais 3,6 milhões. Essa variação significa um aumento de 280%. No primeiro ano do programa, o total de beneficiados chega a 7,8 milhões.

Segundo o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, o governo está satisfeito com os resultados, pois se trata de duas doenças graves que atingem a população brasileira. O ministro disse ainda que estão sendo estabelecidas novas metas para este ano.

Aumenta número de estabelecimentos credenciados

A expansão do número de beneficiários se deve principalmente ao aumento de farmácias credenciadas ao programa. O número de estabelecimentos passou de 15 mil para 20.316. Além disso, cerca de mil municípios que não estavam credenciados passaram a fazer parte da rede “Saúde não tem preço”. Antes de Fevereiro de 2011 apenas 2.467 cidades contavam com empresas participantes, agora o número chega a 3.277.

A região Norte foi a que mais apresentou crescimento do número de beneficiados. A quantidade de pacientes credenciados passou de 7.713 para 79.898 em apenas um ano.
Na região Centro-Oeste o crescimento também foi significativo, chegando a 824%. O número de atendidos passou de 23.299 para 215.218. No Nordeste, Sul e Sudeste o crescimento foi de 545%, 354% e 209%, respectivamente.

Para Padilha, o acesso à saúde está mais bem distribuído pelo país, não havendo prejuízo de qualquer região. O crescimento de pacientes atendidos no Norte e Centro-Oeste demonstra um equilíbrio no atendimento e na assistência farmacêutica no Brasil.

Como participar do ‘Saúde não tem preço’

Os medicamentos gratuitos oferecidos pelos estabelecimentos são para hipertensão e diabetes e são identificados pelo farmacêutico a partir do princípio ativo, que é a substância que compõe o remédio. Para obter os produtos disponibilizados pelo programa ‘Saúde não Tem Preço’, o paciente precisa apresentar seu CPF, um documento com foto e a receita médica. Dúvidas também podem ser esclarecidas por meio do Disque-Saúde (136) e também pelo e-mail analise.fpopular@saude.gov.br.