Publicado em: terça-feira, 11/10/2011

Sarney defende sua participação no governo e real poder político que exerce

O presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), se defendeu em entrevista ao jornal Zero Hora das críticas feitas sobre sua participação nos governos dos últimos anos. Para Sarney, os comentários são injustos, pois não refletem a verdadeira situação na qual foi colocado. De acordo com ele, em nenhum momento procurou os ex-presidentes, Luiz Inácio Lula da Silva e Fernando Henrique Cardoso, para atuar no governo. Sarney contou que foram eles quem o procuraram depois de terem sido eleitos.

De acordo com a reportagem publicada no jornal, Sarney declarou que “não fui aderir ao ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. Pelo contrário, ele foi à minha casa pedir o meu apoio. Da mesma forma, não fui aderir ao ex-presidente Lula. Ele foi à minha casa pedir o meu apoio. Portanto, acho injusto quando dizem que estou apoiando todos os governos. Solicitado a colaborar, não tenho me furtado a fazê-lo”. Com relação à Dilma Rousseff, Sarney afirma que mal conversa com ela.

Mesmo não tendo muito contato com Dilma, Sarney destacou que sua relação com Lula acabou sendo mais pessoal e até hoje mantém contato com o ex-presidente. Segundo a publicação, o presidente do Senado afirmou que tem “grande apreço” pelo ex-presidente da República.

Sobre a sua influência política no governo brasileiro, Sarney defende que seu poder passa longe da imagem que a mídia veicula. O presidente do Senado falou que gostaria de ter ao menos 1% daquilo que lhe é creditado. Em tom de ironia, Sarney declarou que falta apenas atribuírem a ele a seca no Rio Grande do Sul.