Publicado em: sexta-feira, 24/02/2012

São Paulo: multa de rodízio é cancelada por causa de tempestade

A Justiça anulou a multa de rodízio aplicada a um motorista de São Paulo que conseguiu provar que ficou preso no trânsito da cidade durante uma segunda-feira com apagão, tempestade e congestionamento recorde de 216 km.

No dia 22 de novembro de 2010, Luis Carlos Puleio, advogado criminalista prejudicado pela multa, demorou uma hora e meia para chegar do seu escritório, no centro, até sua casa, na zona oeste. O tempo é três vezes superior ao habitual para aquele horário. Ele foi flagrado por um radar na rua onde mora por volta das 17h40.

A Justiça aceitou o pedido da anulação por entender que a capital paulista estava um “caos” e foi incapaz de assegurar “a eficiente circulação de veículos” em dias chuvosos. A decisão foi favorável ao motorista na primeira e na segunda instância e o município informou que não vai recorrer.

Para se livrar da multa de R$ 85,13 e quatro pontos na carteira, o advogado precisou entrar na justiça pagando o valor mínimo para a abertura do processo, R$92,10. O valor é mais alto que o da própria multa e pode ser que por isso não existe nenhum outro registro como esse no Tribunal de Justiça de São Paulo. “Não fiz pelo valor, foi pela indignação. Imagina quantas pessoas levam multa e não reclamam, pois acham mais fácil pagar”, declarou.