Publicado em: quarta-feira, 05/10/2011

Rússia condena projeto da ONU contra repressões na Síria

A rússia e a China condenaram nesta terça-feira (04) a versão mais recente do projeto de resolução dos países ocidentais no Conselho de Segurança das Nações Unidas, o qual vai contra as repressões realizadas na Síria contra manifestantes que lutavam para derrubar o regime ditatorial de Bashar al Assad. O projeto não tem a referência a sanções explicitamente para mediar a aprovação por todos os membros do Conselho.

A substituição do termo sanções foi feita pela expressão ‘medidas precisas’, a qual foi inserida pelo Reino Unido, França, Alemanha e Portugal como uma tentativa de integrar outros países em apoio ao projeto. Porém, o vice-ministro russo de Relações Exteriores, Guennadi Gatilov, afirmou que “infelizmente está longe de nos satisfazer e não foram levadas em conta nossas inquietações. É por isso que o texto que os ocidentais se dispõem a submeter ao voto é inaceitável para nós”. O representante russo defendeu que falta apoio para um diálogo político na Síria e que fossem pressionados tanto o governo de al Assad quanto a oposição.

A Rússia faz parte do Conselho de Segurança como membro permanente, condição que a garante poder de veto. Nas últimas duas semanas o país vem bloqueando projetos que permitam sanções à Síria. Desde março deste ano, quando as manifestações contra al Assad começaram, estima-se que tenham morrido 2.700 pessoas.

Para o secretário americano de Defesa, Leon Panetta, a queda do regime sírio é apenas uma questão de tempo. O presidente americano, Barack Obama, já declarou em outras ocasiões que a Síria estará melhor sem al Assad.