Publicado em: sexta-feira, 22/02/2013

Ricky Martin está decepcionado com tribunal de Porto Rico

Ricky Martin está decepcionado com tribunal de Porto RicoO cantor recorreu novamente a uma familiar para ser sua barriga de aluguel e logo será pai pela terceira vez de uma tão sonhada menina. Ricky que já é pai de Valentino e Matteo, gêmeos que este ano completarão 5 anos no mês de agosto agosto, se declara feliz e especialmente agradecido pela parente que novamente veio lhe ajudar a ser pai. Entretanto, sem esquecer as questões envolvendo outros casais homosexuais Ricky Martin se demonstrou bastante decepcionado ao relatar o caso de um casal homossexual ao tentar adotar um filho em Porto Rico, sua terra de origem.

O caso divulgado pelo jornal Porto Rico El Vocero e compartilhado via twitter pelo cantor, mostra um casal homossexual de duas mulheres, aonde uma petição foi iniciada para que fosse possível adotar a filha da parceira que teve bebê através do método de fertilização em vitro. Rick Martin que mantém uma relação a longo tempo com Carlos González Abella. Ficou bastante incomodado com a decisão do Supremo Tribunal em impedir a adoção de filhos por homossexuais. A legislação Porto Riquenha proíbe a adoção por casai homossexuais sem que a mãe biológica perca os direitos, como no caso apontado, reservando esta modalidade de adoção para casais heterossexuais.

No twitter Ricky declarou: “Que tristeza. Isto eu vejo como dar as costas para a infância. Tantos órfãos querendo ter o calor de um lar”.

A adoção de filhos por casais homossexuais ainda é um grande tabu para legislações de países com tabus culturais, no Brasil, somente em 2005 ocorreu a primeira adoção legal por um casal homossexual masculino. O caso, da família Vasco, Dorival e Theodora (filha) relatado pela mídia no país deu precedentes para que outros casais tivessem filhos e também viabilizou a adoção de inúmeras crianças, que antes sofriam aguardando ser acolhidas por uma família.

No mundo cerca de 14 países já permitem a adoção por casais homossexuais amparados legalmente, e outros avançam para esferas jurídicas que já permitem o processo. No entanto, o processo de aceitação da homossexualidade ainda enfrenta questões religiosas e culturais, na África diversos países ainda consideram ilegal a homossexualidade.