Publicado em: segunda-feira, 25/07/2011

Reunião sobre a dívida acaba sem acordo nos EUA

A reunião que aconteceu nesta sábado (23/07) entre o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e os líderes republicanos e democratas do Congresso sobre a dívida do país acabou sem um acordo imediato.

O presidente recebeu na Casa Branca o presidente da Câmara dos Representantes (equivalente a Câmara dos Deputados), o republicano John Boehner, o líder da maioria democratas no Senado, Harry Reid, o líder da minoria democrata da Câmara, Nancy Pelosi e o líder da minoria republicana no Senado, Mitch McConnell.

Os congressista voltaram as conversar para que seja fechado um acordo sobre a elevação do teto a dívida, fixada atualmente em US$ 14.29 trilhões. Se a decisão não for feita antes do dia limite, 2 de agosto, o Governo será obrigado a anuncia a moratória.

A Casa Branca informou que Obama reiterou a sua posição a um extensão da dívida de curto prazo. Ele considera que essa medida poderia provocar uma redução da qualificação da dívida e irá prejudicar a economia americana e expor o pais a uma nova “batalha” sobre o aumento da dívida nos próximos meses.

Na mesma linha, Reid anuncio que não apoio o acordo a curto prazo. “Buscamos uma extensão do teto da dívida que nos leve no mínimo ao final de 2012. Não podemos enviar uma mensagem para o mundo carregada de ambivalência”, declarou.

Obama voltou a enfatizar que o Congresso “deve se abster de jogos políticos irresponsáveis com a economia e ao contrário, deve ser responsável e fazer seu trabalho, evitando a moratória e reduzindo o déficit”.

Os congressista concordaram em voltar ao Capitólio nesta semana pata discutirem com os mesmos de seus partidos quais caminhos pretendem seguir.