Publicado em: sábado, 27/08/2011

Reserva brasileira para pagar juros da dívida chega R$ 14 bi

O Banco Central (BC) anunciou nesta sexta-feira (26) que os juros primários do setor público cresceu nove vezes e chegou a R$ 1,789 bilhões no mês de julho. No mês anterior, a economia do superávit primário da dívida publica foi de apenas R$ 1,532 bilhões.

Os dados são analisados a partir de toda a economia realizada no país, que é considerar e denominada setor público consolidado. O caçulo inclui toda a União, seus estados, municípios e demais empresas estatais.

Entretanto, a salta não é suficiente para fazer o pagamento de todos os juros, que somados chegam a valor de R$ 18,797 bilhões. Dessa forma, o chamado déficit nominal, que é avaliado a partir das receitas menos despesas e ainda com os gastos dos juros, ficou no mês de junho com o montante de R% 5,007 bilhões.

Em junho, o superávit primário era calculado em R$ 10,918 bilhões. Assim, as contribuições dos governo estaduais foram de R$ 1,592 bilhões e os municípios entraram com R$ 23 milhões. As estatais, sem considerar a Petrobras e a Eletrobrás, ficaram com alta primaria de R$ 1,247 bilhões.

No sete primeiros meses do ano, o governo central (Banco Central, Previdência e Tesouro Nacional) indicou o superávit de R$ 66,307 bilhões, seguido pelas contribuições dos estados, com R$ 21,771 bilhões, dos municípios, R$ 2,050 bilhões e estatais, de R$ 1,991 bilhões.