Publicado em: sábado, 17/05/2014

Requião se irrita e usa o Twitter para atacar veículos de comunicação

Requião se irrita e usa o Twitter para atacar veículos de comunicaçãoO senador Roberto Requião (PMDB/PR), se envolveu em nova polêmica nessa semana. Ao ser críticado pela revista Veja e por sites ligados as Organizações Globo, que queriam colocá-lo como um dos – muitos – políticos envolvidos em esquemas de desvio de verbas públicas, Requião irritado usou seu perfil no Twitter para enviar ofensas as empresas, fazendo uso de xingamentos.

Essa não é a primeira vez que o senador compra briga contra grandes veículos de comunicação. Quando governava o Paraná (2002- 2010) ele usava a emissora estatal Paraná Educativa para atacar os outros veículos de comunicação do estado. O Grupo Paulo Pimentel (GPP), que na época era afiliada do SBT e, a RPCTV (afiliada da Rede Globo) eram os principais alvos de Requião, que foi proibido pela justiça de continuar usando sua emissora para fins políticos. Tanto a Veja como a Globo ainda não se pronunciaram sobre o assunto.

Em tempo

Na semana passada Roberto Requião, venceu o âncora da TV Bandeirantes e rádio Band News FM, Ricardo Boechat, em uma ferrenha batalha judicial. Boechat foi condenado a 6 meses de cadeia, por diversas ofensas feitas contra Requião em seus comentários matutinos na Band News, sua pena no entanto foi amenizada para serviços voluntários. O atual governador do Paraná, Beto Richa (PSDB), também é duramente criticado por Requião, que em seu perfil diz que o atual governador “é o único culpado pelo desastre” que é atual situação da Polícia Militar do Estado.

Além disso, para o senador paranaense, Beto Richa está “tomando medidas desesperadas, mesmo sabendo que não será reeleito”. Aliás, Requião da como certa sua volta ao Palácio Iguaçu, e segundo ele, nem mesmo a petista Gleisi Hoffmann – ex Ministra-Chefe da Casa Civil – ganhará dele. Beto Richa não pode se reeleger. Segundo dados divulgados pelo Paraná Pesquisa, o governo Beto Richa perdeu 21% de popularidade em três mesmes. De acordo com o instituto 46% dos paranaenses desaprovam o governo tucano, contra 50% que o aprovam.